09/02/2015 - 10:54
Os nossos vampiros são melhores que os dos outros!

Solua, o Vampirinho Vegano é de autoria da renomada Lou de Olivier, a direção também é sua. Em sua décima quinta peça teatral, sempre mostrando uma nova visão de vida e conduta, Lou promete repetir os grandes sucessos de seus textos anteriores como "Cinderela que não era Bela porque era Branca demais", em cartaz desde 1985 e "Os Alienados" sucesso desde 1998 até hoje em todo o Brasil e também em Portugal onde recebeu o titilo "Os Alucinados"

Sempre que surge um vampiro na tela, ou é um sedutor romântico, ou é um monstro, mas sempre um bebedor de sangue, bem nojento. Opiniões à parte, assim como os vampiros, o veganismo também é assunto de grandes discussões, pois alguns o veem como bandeira de defesa dos direitos dos animais e entram em choque com aqueles que defendem o direito de comer até pedregulho.

Hoje, enquanto recolhemos água de chuva ácida para compensar a represa cenográfica, já é viável falar de uma personagem criada para conscientizar as pessoas de que vivemos numa era em que as atitudes drásticas são uma necessidade. A destruição da vida na Terra é assunto da geração presente, não é mais algo profetizado para um futuro distante.

Solua é um vampiro vegano, nascido em uma família de vampiros "normais", tão ogros quanto qualquer pessoa que se alimente como uma draga, sem calcular as consequências de se comer qualquer porcaria. Acima de ser um direito, alimentação saudável é um dever de cada um, para consigo mesmo, já que nosso corpo é um patrimônio insubstituível.

Esta personagem, faz parte de um amplo projeto de conscientização ecológica/socioambiental, composto por e-book, peça teatral e muitas outras formas de mostrar às pessoas que a Terra é um ser vivo como nós e que o equilíbrio ecológico deve começar dentro de cada pessoa, para se tornar uma realidade mundial.

Conheça o e-book, a peça teatral e todo o projeto, acessando: http://www.anavegana.loudeolivier.com/vampirinho-vegano.php

A peça Solua, o Vampirinho Vegano é de autoria da renomada Lou de Olivier a direção também é sua. Em sua décima quinta peça teatral, sempre mostrando uma nova visão de vida e conduta, Lou promete repetir os grandes sucessos de seus textos anteriores como "Cinderela que não era Bela porque era Branca demais", em cartaz desde 1985 (até a atualidade) e "Os Alienados" sucesso desde 1998 até hoje em todo o Brasil e também em Portugal onde recebeu o título "Os Alucinados". Ambas as peças tem sido encenadas por diversos grupos e companhias ao longo desses anos, quase sempre com a assessoria de Lou de Olivier e sempre com grande sucesso de público e crítica.

O elenco:
Elton De Roi Personagem: Solua: "Com apenas dois anos de bagagem de palco, tenho pela primeira vez a oportunidade de viver um garoto de oito anos, (sempre fiz personagens mais caricatas). Mas viver na pele um garoto vegano, vampiro e com uma idade física tão infantil, está sendo um desafio gostoso de cumprir. Apesar da pouca idade de Solua, ele aparenta ser mais adulto do que muitos adultos, então esse contraste tem que ser passado ao publico na medida certa para não deixar a personagem tão inocente, nem muito avançada. A construção do Solua acontece todos os dias um pouco, quando estou pelas ruas de São Paulo, durante os afazeres do dia a dia, sempre Solua me contempla com um novo olhar sobre si próprio. E o principal e mais importante é que quero convencer crianças, adolescentes e adultos, através da minha interpretação, a ter uma visão mais aberta a esse estilo de vida, e talvez o único modelo sustentável de alimentação e sobrevivência de nossa especie humana".

Brunno Passarette: Personagens: Sr. Soom e Pajé: "Tenho vivido uma experiencia muito boa diante das personagens, cada qual com uma peculiaridade muito grande (Sr Soom, senhor do interior que trabalha na produção e vendas aos supermercados, tendo um entendimento comum a respeito da alimentação. O Pajé diante dos índios que caçam e pescam para se alimentar. E tanto o Sr. Soom quanto o Pajé, após encontrarem o Solua, com seus argumentos, em um curto período descobrem a consciência do veganismo). E essa montagem é o que nos faz refletir sobre nossos atos no dia a dia . Faço também as coreografias junto ao elenco e no final toda essa mistura será um grande sucesso".

Junior Baaruch. Personagens: Vampiro Pai / Chefe da Tribo. "Após mais de nove anos sem atuar em teatro, reencontrar no palco a magia de poder levar fantasia junto à conscientização de uma alimentação mais saudável tem sido uma aventura surpreendente. Minhas personagens em Solua, O Vampirinho Vegano, são os pais. Em primeiro momento o Vampiro Pai de Solua, muito preocupado com a tradição vampiresca e seus hábitos sangrentos e carnívoros, um vampiro pastelão que apesar de não entender certas diferenças, ama seu filho. E um segundo momento, como Chefe da Tribo, pai da indiazinha Luasol – um índio que vai ficar bem incomodado com a presença de Solua na tribo. As personagens são completamente diferentes das que já encenei no passado, e cria-las está sendo um processo de muita diversão e aprendizado".

Thata Albuquerque: Personagem: Gato Miau. "Nesta história, o gato é personagem que, como a maioria, das personagens era carnívoro, e com o decorrer da historia acaba tomando a causa para si também e tornando-se vegano como nosso vampirinho. O que acho interessante no texto de Lou de Olivier é a função educativa que ele tem para adultos e crianças. E mais do que isso, o projeto social que a autora e diretora segue, colaborando não só com a arte e sim também com o amor, ajudando de sua forma a quem precisa, em um trabalho que sua família começou há mais de 70 anos.
E você, ta esperando o que pra conhecer essa historia encantadora?"

Renata Silva Personagens: Segurança e Secretária
Este é o segundo projeto da Lou de Olivier do qual participo. Gostei muito do texto, pois aborda o veganismo e trata da consciência sobre os alimentos que ingerimos. A expectativa é que o público possa compreender isto. Quanto à criação das personagens, como estou iniciando no teatro, tive que trabalhar bastante texto, corpo e voz para poder estar presente no palco. A segurança é uma personagem forte, demonstrando firmeza nos gestos e na fala e enorme senso de justiça. Já a secretária é uma personagem mais imatura, antipática, impaciente, arrogante, fútil. Para concepção busquei ver muitos filmes.

Anna Leitte, Personagens: Luasol (indiazinha) e Bobby Kent: "Tive que buscar dentro de mim um olhar diferente e inocente para interpretar Luasol que, além de ser criança inocente, é Índia. A cada ensaio vou ficando um pouco mais Índia e aprendendo mais, pois acredito que um ator por mais experiente que seja, sempre está aprendendo. Além dessa consciência sobre a alimentação correta e saudável que todos devem ter. Quanto ao Bobby kent, confesso que é a primeira vez que interpreto um homem e debochado, para completar, o que se torna um desafio, na mesma peça, interpretar personagens tão diferentes entre si. Mas tenho a certeza que irei superar este desafio e mostrar o melhor de Bobby Kent em contraponto a Luasol"

Detalhe interessante: Lou de Olivier também faz uma participação especial como a Mãe Vampira, provando que é perfeitamente possível atuar em diversas áreas com competência e profissionalismo. Imperdível!

Release elaborado pelo Jornalista Erasmo de Oliveira - 67110-SP

Website: http://www.anavegana.loudeolivier.com/





Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.