09/05/2016 - 10:52
Votorantim e o (eco)turismo


Atualmente o turismo é tido como uma das principais atividades da economia mundial.  Para termos uma dimensão das suas vantagens, no Brasil, segundo a matriz insumo-produto do IBGE, o turismo impacta 52 segmentos diferentes da economia, criando uma cadeia que gera produtos, emprego e renda. Por conta disso tornou-se tema obrigatório nos programas e ações governamentais.

Em nível municipal a atividade turística pode vir a ser um dos instrumentos de alavancagem e diversificação da economia local.

Votorantim surgiu como cidade industrial e essa vocação permaneceu por muitas décadas. Hoje a atividade industrial já não representa totalmente a economia do município e não absorve grande parte da força de trabalho local, que é obrigada a buscar trabalho fora da cidade. A diminuição da atividade industrial faz com que Votorantim busque alternativas, o que poderá dotar o município de múltiplas vocações, desenvolvendo o comércio, a prestação de serviços, a agricultura, a pecuária e, aproveitando sua história e riquezas naturais, o turismo e, mais especificamente, o ecoturismo.

Se somarmos a estas considerações o fato de que no município de Votorantim está localizada a represa de Itupararanga e, também, as belezas da Serra de São Francisco com suas cachoeiras, mirantes, a capela da Penha, a usina da Light e o bairro rural do Carafá, o resultado é um tremendo potencial para o ecoturismo, para o turismo de aventura e o turismo de recreio.

O ecoturismo, enquanto modalidade de turismo responsável, educativo e comprometido com a preservação ambiental, parece ser o que mais se adequa ao potencial de nosso município. A serra de São Francisco, os recursos hídricos, os parques existentes e os projetados são os cenários ideais para a prática de trilhas, arborismo, acampamentos ecológicos, caminhadas, maratonas ecológicas, cicloturismo, esportes náuticos, voo livre, visitações às cachoeiras, etc.

Outros fatores ainda credenciam o município como tendo grande potencial para o desenvolvimento turístico. Para o turismo de eventos: a Festa Junina e eventos culturais. Turismo histórico: a estrada de ferro, a usina e a vila da Light, a capela da Penha. Turismo cultural, ecológico e de recreação: o Parque do Matão e os demais parques projetados.

Para realizar todo esse potencial são necessárias políticas públicas com diretrizes e programas para o desenvolvimento do turismo no município. Que definam, após diagnósticos e o envolvimento da comunidade, as prioridades e articulem e organizem os agentes interessados na atividade turística local, propiciando a prospecção de oportunidades de negócios e potenciais investidores. A criação de estrutura na administração pública para a gestão das políticas públicas para o turismo, mais o reconhecimento por parte do governo estadual do interesse turístico, vão qualificar o município para a captação de recursos junto aos programas governamentais.

Caminharemos então para a realização do potencial turístico de Votorantim. Mas que seja um modelo de turismo sustentável e responsável, ou seja: que conserve os patrimônios natural e cultural; que promova a inclusão social e estimule a participação da comunidade; e que seja eficiente economicamente. E o turismo, enfim, poderá dar uma nova opção de diversificação econômica à cidade, desenvolvendo o comércio local, a prestação de serviços e, consequentemente, gerando emprego e renda.

 

Coluna publicada na página 05 da edição 167 da Gazeta de Votorantim de 07 a 13 de maio de 2016







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.