23/05/2016 - 13:37
O premiado curta-metragem Neurose
 Foto: Divulgação 

Oficial alemão Amaury Arcuri e o soldado Edison Branco

O desafio de fazer um curta-metragem gravado em Super 8 envolveu um grupo de doze moradores de Votorantim, quando em 1982, sob a direção de Adilson Ferreira Machado (Karafá), contou a história de um soldado que volta da 2ª Guerra Mundial com características de desordem mental.

A filmagem de Neurose tem cenas gravadas no recinto da Festa Junina, mostra a movimentação de veículos na avenida Luiz do Patrocino Fernandes e uma estrada vicinal na Serra de São Francisco. Também ocorreram gravações em Sorocaba e Salto de Pirapora.

Os protagonistas são Edison Branco como soldado alemão e os saudosos Romualdo Barasnevícius como o ator que sofre os distúrbios e Amauri Arcuri como oficial alemão. Completam o elenco: Admir Machado, Antonio Marinoni Neto, Everton Delapasi, Claudinei Fernando de Paula Ribeiro, Gerson Machado, Henry Machado, Luiz Saydel e Rosângela Duarte.

Adilson Karafá, como é conhecido, foi vereador da sétima Legislatura (1993/1996) e nutria o desejo de fazer um curta-metragem na cidade. Ele aproveitou para fazer cursos, adquiriu literatura especializada e comprou equipamentos.

“O resultado das filmagens é que Neurose foi premiada nos festivais da categoria em Sorocaba e Bragança Paulista, recebeu outros troféus específicos de melhor ator e sonoplastia, foi exibido em diversas cidades e participou de uma mostra na abertura do Festival Internacional de Super 8, no Clube Hebraica, em São Paulo” destaca Karafá.

O reconhecimento foi resultado do esforço de um grupo de voluntários comprometidos. Numa época que havia limitação tecnológica e a criatividade se fazia necessária. Karafá foi o seu próprio patrocinador. Pena que não existam cópias do filme para serem vistas pela comunidade local, a não ser um arquivo no Youtube, que foi gravado a partir de um aparelho celular quando da projeção do Super 8.

“Tivemos muitos cuidados para mostrar o máximo de realismo possível. Amauri Arcuri tinha réplicas de vestimentas do exército alemão e motos alemãs Zündapp. Também tivemos que manter contato com um tradutor para que preparasse o diálogo e nos auxiliasse nas pronúncias da cena entre o soldado e o oficial. Não bastasse isso, artesanalmente inserir as letras das legendas, que eram coladas num cartão preto e filmadas, para somente depois conseguir aplicar em cima da cena do filme” comenta Karafá.

O diretor reforça o pensamento que quando almejamos algo na vida precisamos realizar e por isso não mediu esforços. Gravar em Super 8 era complicado, ao contrário de hoje que encontramos equipamentos que filmam em alta resolução, programas que ajudam a corrigir imperfeições, entre outras tantas facilidades para otimizar a produção.

“Foi uma época que para gravar no Super 8 o filme virgem durava pouco mais de 3 minutos. Depois tinha que enviar para São Paulo e aguardar 15 dias. Era uma agonia para ver se tinha obtido o resultado desejado. A edição era manual, com a colocação de cenas sequenciais a ser enviadas ao laboratório, que inseria a banda magnética para depois fazer a sonorização e finalização. Para esse filme foram adquiridos cerca de 80 rolos de filmes e uma filmadora importada” relembra Karafá.

Percebe-se que houve a preocupação de valorizar a cidade de Votorantim e trás algumas curiosidades, como parte das imagens que serviam para ilustrar um cenário de destruição após bombardeios. Na cena onde o protagonista está no cinema e vê um incêndio, mostra imagens reais de um sinistro no setor Rayon da fábrica de tecidos Votorantim, que o próprio diretor filmou.

Neurose é a história de um ex-combatente de guerra que assistindo a um filme sobre o tema numa sala de exibição, começa a manifestar problemas psíquicos. Ao passar pela Festa Junina o que seria uma distração gera maior incômodo com a grande circulação de pessoas, barulhos, luzes e até o movimento rápido dos brinquedos do parque de diversões. Estando perturbado e sem rumo vai à Serra de São Francisco e dorme no seu próprio veículo. No início da manhã, na estrada vicinal, ele se depara com uma visão, uma cena jamais esperada, a chegada numa moto alemã de um oficial e um soldado que querem matá-lo. O final do curta-metragem pode ser conferido no Youtube, localizando o arquivo denominado Neurose 1982.

(Cesar Silva é jornalista formado pela Uniso, gestor público pós-graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Unirio), membro da Academia Votorantinense de Letras, Artes e História e autor de dois livros sobre a história de Votorantim)

 

Coluna publicada na página 12 da edição 169 da Gazeta de Votorantim de 21 a 27 de maio de 2016







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.