29/08/2016 - 11:14
Que a timidez seja aparente


Esperada com grande expectativa, o início do período de campanha eleitoral se apresentou cercada de timidez e cuidados. Pelo menos em Votorantim.

A justificativa para esse comportamento dos candidatos – a prefeito e vereadores – passa, provavelmente, pelo desconhecimento das novas regras para a campanha (que ainda provocam dúvidas em alguns candidatos), poucos recursos financeiros, e a espera por decisões da Justiça Eleitoral sobre o futuro de algumas candidaturas.

É claro que podem haver outros motivos, inclusive o descrédito dos políticos a partir do ponto de vista do eleitor, muito em razão dos últimos escândalos que ecoam principalmente de Brasília.

O Brasil assiste neste momento o Senado julgando o destino de Dilma Rousseff e, evidentemente o futuro político nacional. Tanto o eleitor quanto os candidatos nesta eleição experimentam, principalmente nesses dias, um sentimento de ceticismo, de dúvida.

O candidato precisa acreditar no que ele está dizendo para, então, convencer o eleitor. Mas, atualmente, está uma meta que beira o impossível. É momento de reflexão.

Esse período de campanha eleitoral serve justamente para resolver essa questão. O candidato põe a cara para bater, vai atrás do eleitor e, olho no olho, tenta conquistar voto a voto e, assim, garantir a sua eleição.

A campanha está autorizada desde a semana passada, mas ainda é raro ver candidato gastando sola de sapato atrás do eleitor. A presença física da militância é pouco notada. Há poucas bandeiras, poucos carros de som e veículos adesivados, poucos comícios.

Na sexta-feira, teve início a batalha no rádio, com o horário eleitoral gratuito. Essa parte da campanha que usa as ondas sonoras é preciosa aos candidatos, já que ele conseguem falar, ao mesmo tempo, com um grande público interessado.

Mesmo assim, também no rádio, a campanha começou com timidez. Os primeiros a usar esse espaço deveriam ser os quatro postulantes à Prefeitura de Votorantim, mas apenas dois – Rodrigo Chizolini (PSOL) e Fernando Oliveira Souza (DEM) - se apresentaram ao ouvinte-eleitor.

As respectivas assessorias de Jair Cassola (PDT) e Carlos Mineiro (PSDB) justificaram o fato do não uso do rádio – no primeiro dia – a falta de tempo para entregar o material no prazo determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e afirmaram que iriam se utilizar do espaço a partir deste sábado.

A performance dos candidatos de Votorantim podem ser acompanhadas por meio das rádios Cacique, Manchester, Antena 1, Ipanema, Tropical FM e Cantate, com transmissão das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10.

O eleitor espera, além do acesso aos candidatos, campanhas com proposituras possíveis. Querem também, o que julgam difícil, num primeiro momento, sinceridade nas palavras e uma conduta coerente. Seja na rua ou na mídia, é necessário prestar bem a atenção em tudo o que é falado. Que esta campanha eleitoral tenha apenas uma aparente timidez. A cidade precisa de bons candidatos e boas ideias. Assim, torcemos, poderá ter bons políticos.

 

Coluna publicada na página 02 da edição 183 da Gazeta de Votorantim de 27 de agosto a 2 de setembro de 2016







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.