05/09/2016 - 12:38
A decisão de Eric


O agente político, precisa antes de tudo, ser um abnegado, vestir a capa do bom senso e mostrar, verdadeiramente, que a vontade pessoal tem menor valor quando colocada frente a frente com um o interesse público.

Foram essas qualidades que Eric Romeiro (PPS) – atual presidente da Câmara Municipal de Votorantim – mostrou ter ao, por decisão própria, desistir da candidatura a vice-prefeito pela coligação Compromisso com Nossa Gente, encabeçada por Fernando Oliveira (DEM).

A iniciativa de Eric foi oficializada na terça-feira, 30 de agosto, após o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), ter negado, no dia anterior, o recurso à impugnação de sua candidatura. O relator do caso, desembargador Carlos Eduardo Cauduro Padin, manteve a sentença aplicada em primeira instância pela juíza eleitoral de Votorantim, Luciana Carone Nucci Eugênio Mahuad. A medida atingia em cheio a chapa majoritária de sua coligação.

Embora ainda pudesse recorrer, Eric temia que a decisão demorasse, com prejuízo à coligação. A chapa teria até o dia 12 de setembro para substituir o candidato a vice-prefeito, já que Fernando não apresenta nenhuma restrição que o impeça de concorrer ao pleito, desde que seu candidato a vice tenha a candidatura autorizada.

Embora chateado – comum da natureza humana – e visivelmente emocionado – o que não poderia ser diferente -, Eric preferiu abrir mão de seu direito para que a coligação pudesse tocar a campanha sem temor, como explicou em entrevista exclusiva à TV Votorantim na noite de terça-feira.

O pedido de impugnação foi apresentado pelo promotor Eleitoral de Votorantim, Wellington dos Santos Veloso, baseado na Lei de Ficha Limpa, sobre um processo de quando Eric Romero foi vereador no período de 1997 a 2000. O promotor apresentou ainda o pedido de impugnação de cinco candidatos a vereador pelo mesmo motivo, e do candidato a prefeito Jair Cassola (PDT), da coligação Votorantim na Mão Certa, também é baseado na Lei da Ficha Limpa. Esses outros candidatos ainda apostam na agilidade da Justiça e mantêm suas respectivas candidaturas.

Mesmo fora da disputa eleitoral como candidato, Eric disse que vai recorrer para provar a sua inocência e que continua somando forças na coligação.

Com a decisão de Eric, a coligação Compromisso com a nossa gente decidiu pelo nome do Lê Baeza (PV), para formar a chapa majoritária com Fernando.

Vale ressaltar que tudo aconteceu no mesmo momento que o Senado decidia pelo impeachment de Dilma Rousseff. Com o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Lei da Ficha Limpa, todos aqueles que exercem cargos públicos e, principalmente, têm, suas mãos, decisões sobre o destino de recursos públicos, estão sujeitos às penalidades.

Parte dessa eleição não será decidida nas urnas. Há um lado bom nisso. Há a possibilidade de ampla defesa – como correu com Dilma e ocorre com os candidatos cujas candidaturas estão impugnadas.

Há, em todo o País, muitos de candidatos impugnados. Há muitos prefeitos, e vereadores enrolados com a lei. Porém, ao final, dos processos, após todos os recursos em todas as instâncias serem julgados, paga quem deve e é absolvido quem não tem os delitos imputados comprovados. É assim que funciona.

Eric – e os demais candidatos impugnados de Votorantim – ainda não foram condenados em definitivo. A decisão está com a Justiça. Eric preferiu usar o bom senso pois sabe que ainda tem um futuro político pela frente.

A campanha que vai decidir o próximo prefeito e a nova composição da Câmara de Votorantim continua nas ruas. A decisão ainda é do eleitor, que decidirá os eleitos no próximo 2 de outubro. Isso é democracia.

 

Coluna publicada na página 02 da edição 184 da Gazeta de Votorantim de 03 a 09 de setembro de 2016







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.