12/05/2014 - 14:20
Cidades sustentáveis


Muito se fala em sustentabilidade hoje. O termo é muitas vezes usado de forma vaga para servir aos mais diversos interesses quando se quer demonstrar pretensos compromissos principalmente com a continuidade de aspectos ambientais. Como é um termo novo que serve a gregos e troianos, nos parece que o conceito de sustentabilidade demandará algum tempo para incorporar uma visão mais crítica a partir de uma maior elaboração teórica.
           Embora seja muito usado como um termo referente à área ambiental, na verdade sustentabilidade é um conceito sistêmico originalmente baseado no tripé das variáveis econômicas, sociais e ambientais de um processo ou da continuidade desses aspectos na sociedade humana. A esse tripé original se incorporou a variável cultural, e muitos já estão incluindo outras como a ética e a política. Ou seja, podemos dizer que sustentabilidade é atender as necessidades de realização humana nos aspectos econômicos, sociais e culturais fazendo uso racional dos recursos naturais garantindo a continuidade desses aspectos e recursos para as futuras gerações. Essa é a definição mais simples.
          Quando vamos aplicar esse conceito nas diversas áreas da atividade humana ele pode se tornar mais complexo. Ouvimos falar de projetos sustentáveis, eventos sustentáveis, empresas sustentáveis e outras sustentabilidades. Mas uma questão que nos parece interessante e mais próxima de nossas vidas é a das cidades sustentáveis. Sim, pois é nas cidades que a maioria de nós vive. Mas o que são cidades sustentáveis?
          De modo simples podemos definir cidades sustentáveis como aquelas que garantem o direito ao saneamento ambiental, a mobilidade urbana, ao trabalho, à moradia, ao lazer, aos equipamentos urbanos adequados e boa infraestrutura, para a presente e futuras gerações. Isso de modo simples. Mas como dissemos, a questão é mais complexa.
          Além desses itens, que devem ser básicos para qualquer cidade, podemos acrescentar: planejamento visando o correto ordenamento do território e o adensamento urbano, disponibilizando áreas verdes para a qualidade ambiental, recreação e lazer; desenvolvimento de políticas públicas que promovam a inclusão social, a erradicação da pobreza e o direito à moradia; incentivo a uma economia local criativa com responsabilidade social e preservação dos recursos naturais; democracia participativa com a participação da comunidade na tomada de decisões; desenvolvimento de programas de proteção e recuperação ambiental; implementação de programas de educação para a sustentabilidade; desenvolvimento de políticas públicas para uma cultura local para a sustentabilidade e diversidade cultural; gestão pública ética, transparente e eficiente com planejamento, execução e avaliação.
          Muitas cidades no mundo e algumas no Brasil estão seguindo o modelo de cidades sustentáveis. E a minha, a sua, a nossa? Está pelo menos no início desse caminho?

 

 


publicado na edição n° 67 de 10 a 16 de maio de 2014 do Jornal Gazeta de Votorantim, na página 07







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.