15/09/2017 - 16:14
Bondes transportavam o sorocabano às fábricas de Votorantim
 Foto: Arquivo 

Largo da Estação de Passageiros no antigo centro

Tudo girava entorno da grande quantidade de empregos oferecidos no distrito industrial de Votorantim. Além de recrutar toda a mão de obra local, recebia muitos operários vindos de Sorocaba e sem contar que atraia pessoas de outras cidades e estados, em busca de vínculo na carteira de trabalho e melhores condições de vida.

Aos que não moravam nas vilas operárias, estrategicamente organizadas no entorno das fábricas e eram provenientes de Sorocaba, a opção como transporte era o bonde, com suas composições saindo da estação Paula Souza.

A plataforma da Vila Assis era a primeira parada programada. Tinha muitos trabalhadores que usufruíam desse transporte, residentes na Vila Assis, Barcelona, Vila Hortência e Parada do Alto, área do Além Ponte também conhecida como região dos espanhóis.

Era um ritual. Por volta das 4h15 da manhã, começava a formar grande concentração de trabalhadores que se deslocavam para entrar às 5 da manhã na Indústria Têxtil Metidieri e na Fábrica de Tecidos Votorantim.

Depois de parar na Vila Assis, a composição prosseguia até a Parada do Alto para receber nova baldeação, chegava ao bairro Ângelo Vial para fazer descer aqueles que saíam em caminhada até o portão da fábrica Metidieri e a maior parte de trabalhadores permanecia na lotação com destino ao Largo da Estação, na rua Lacerda Franco, para a fábrica Votorantim.

Em alguns horários, os bondes faziam o percurso até as estaçõezinhas instaladas no Votocel e Santa Helena, onde atendiam trabalhadores em menor número das fábricas papeleira e cimenteira. Além disso, também era utilizado por estudantes que se dirigiam até Sorocaba e aos passeios dos moradores do então distrito. O Grupo Votorantim utilizava a linha férrea para receber insumos visando compor a fabricação do cimento e aproveitava para escoar parte da produção.

A massa operária formava um grande contingente garantindo o preenchimento de vagas nas duas maiores fábricas têxteis do distrito de Votorantim. Com o tempo o bonde deixou de circular e os ônibus passaram a ocupar maior espaço.
           
Cesar Silva é jornalista e autor de três livros sobre a história local
Visite a Fanpage: “Histórias da Minha Cidade –Votorantim”

 

Coluna publicada na página 13 da edição 235 da Gazeta de Votorantim de 09 a 15 de setembro de 2017







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.