04/11/2014 - 15:55
Respeito à democracia

Findado o processo eleitoral com uma disputa presidencial muito acirrada, o que felizmente aumentou ainda mais as discussões políticas em todas as esferas sociais e econômicas , trouxe uma  ampliação significativa no uso das redes sociais  para que as posições de todos se disseminassem rapidamente por todo o país.

Embora com o já habituado baixo comparecimento das urnas, a vontade da maioria dos que manifestaram sua obrigação cívica deve ser respeitada e a democracia deve prevalecer, independentemente  da preferência político-partidária  com a união de todos os  brasileiros para a construção de um país melhor.

O momento que vivemos, conhecido como bônus demográfico, onde a população economicamente ativa é maior que o número de crianças e aposentados é único e deve acabar por volta de 20 anos, por isso temos qe aproveitá-lo para construir um país com uma melhor infraestrutura em todos os aspectos para nosso futuro.

Os princípios que regem nossa constituição devem ser observados e respeitados. Também elaborada de forma democrática em 1988, nossa lei maior traz conceitos importantes para a manutenção dos direitos de todos os  cidadãos brasileiros, como a independência dos poderes, a liberdade de imprensa, o direito de propriedade e o nosso sistema econômico.

Derrotado na Câmara Federal na última semana o decreto sobre a criação dos conselhos populares, e espero que assim o seja também no senado, é uma forma de aparelhar o processo de decisão governamental, assim como acontece na Venezuela.

Nosso legislativo, em todas as esferas de governo, eleito de forma democrática, é nosso representante. Sou a favor da participação da sociedade civil organizada colaborando com o poder público, entretanto não devemos criar um poder paralelo em nosso país.

Muito tratada  no período eleitoral foi a influência exercida pela  bolsa família no voto. O programa é importante e devemos defender a manutenção, mas como tudo, sempre é necessário buscar o aprimoramento e com uma auditoria constante para evitar os desvios e os maus usos dos recursos públicos.

O conceito tem que ser de dar o peixe e ao mesmo tempo ensinar a pescar, caso contrário, teremos eternamente uma parcela da população dependente de um programa em que se entra e não se   sai, ferindo inclusive a dignidade das pessoas participantes, pois quero acreditar que no longo prazo as pessoas não se sentiram bem em não trabalhar.

O aprimoramento do programa, que deve ser reconhecido como de estado e não de governo, é fundamental para que não interfira em nenhum processo eleitoral no futuro.

Nos últimos dias, ouvimos, através de algumas manifestações,  pessoas querendo deflagrar um processo separatista entre norte e sul do Brasil, ouvimos também alguns manifestantes pedindo intervenção militar (esses precisam conhecer um pouco mais de história), listas pela internet pedindo o impeachment, pedido de auditoria nas urnas, entre tantas outras que não ficamos sabendo.

O respeito ao resultado, e portanto à democracia, é fundamental para continuarmos na construção e consolidação de nosso país. Toda e qualquer manifestação que questione o resultado, que ocorreu como todos sabem sob forte disputa, somente vai fragilizar nosso país, postergar a retomada de nossa economia e aumentar a instabilidade. Devemos, como cidadãos, agora de forma unida, cobrar, sim, um governo sério, a punição aos envolvidos em corrupção e o cumprimento aos compromissos assumidos.

 


Flávio Amary, vice-presidente do Interior do Secovi-SP e diretor da Regional Sorocaba da entidade.







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.