16/04/2015 - 12:34
O tempo


O TEMPO

m. Peres s.
O tempo encerra pro mundo todo,
como na ampulheta que a areia acaba;
voltamos ao pó, como um mesmo lodo,
e sendo tudo, só nos resta o nada.

Onde as fortunas e suas veleidades,
onde o ufanismo e a glória humana?
Se tudo acaba em exiguidades,
por que o afã em vida mundana?

Tudo escapa célere pelo vão dos dedos,
tão fugidio e inexorável,
onde a recompensa e os vãos segredos,
se tudo acaba, incomparável!

Cansaço, fadiga como herança,
corramos muito, ou muito pouco,
a insatisfação é a mesma neste mundo louco,
o que nos resta é a esperança!

 

 







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.