09/11/2015 - 17:02
O jovem como protagonista nas escolas estaduais
 Foto: Divulgação 

Desfile do colégio Daniel Verano, quando funcionava na Barra Funda, em 1970

Há algumas décadas poucas eram as opções de lazer disponíveis. O entretenimento no lar não estava assegurado já que nem todos contavam com televisores e não existiam os recursos de hoje como internet, redes sociais e jogos eletrônicos. A escola se tornava um meio ainda mais agregador, não só para estudantes, mas com maior envolvimento das famílias. Na periferia o estabelecimento de ensino virava ponto de encontro para união de populares nos eventos do calendário escolar.

A educadora Marilene Carrara Mesadri, hoje aposentada, pôde presenciar essa fase de grande mobilização escolar e ver os resultados práticos de ações cívico culturais. Lecionou de 1980 a 1988 na escola Wilson Prestes Miramontes (Parque Jataí) e de 1988 a 2008 foi professora, vice-diretora e chegou a condição de diretora substituta na escola Daniel Verano (Parque Bela Vista).

“Comecei ministrando aulas de Estudos Sociais. Depois fiz mais um ano de complementação em Educação Moral e Cívica, já que era um desejo ser orientadora escolar. Isso motivou ainda mais a me envolver na organização de eventos, como festividades e desfiles, numa busca por maior interação de estudantes e a comunidade” comenta Marilene.

Entendendo ser necessária uma relação ampla, indo além das atividades em sala de aula e obtendo como resultado a ampliação do vínculo com o prédio escolar, eram realizados projetos, palestras, concursos com danças, teatros e jogos, visando também o chamamento popular.

“Talvez seja difícil resgatar esse tempo tão especial. As datas cívicas eram comemoradas com entusiasmo, as pessoas até evitavam viajar e as solenidades coroadas com grande êxito em meio às apresentações de jograis, esquetes teatrais e poesias de autoria dos próprios alunos” relembra Marilene.
 Foi um período que a sociedade sofria bem menos com a violência. O perímetro escolar se mantinha preservado e quando sabiam que a escola estava aberta à participação da comunidade havia um respeito maior e a disposição para valorizar o aprendizado do aluno.

“Como todos estavam dispostos a ajudar, tinha uma harmonização entre alunos, professores e comunidade. Chegávamos a ganhar os tecidos para os desfiles cívicos e as mães se prontificavam a confeccionar as roupas. A participação era bem-vinda e ocorria de várias formas” fala com entusiasmo a educadora.

Ah como era bom esse momento do ano letivo! Na preparação dos desfiles era um orgulho ter uma fanfarra, existia a rivalidade entre as escolas e era desnecessário fazer o convite para alguma banda de fora se apresentar. Os alunos assumiam com grande compromisso, aos poucos juntando instrumentos e tentando formar uma fanfarra para com orgulho representá-la. Marilene como professora na escola Wilson Prestes Miramontes acompanhou a formação da primeira fanfarra e hoje vê que a disposição no passado motivou para que com o tempo surgisse nessa unidade escolar a Bamavo, Banda Marcial de Votorantim.

Já em sua passagem de 20 anos de Daniel Verano, Marilene também colecionou muitas histórias percorrendo os grandes corredores do prédio escolar, subindo e descendo as escadas e que boa caminhada diária era feita ao percorrer as salas de aula.

“No interior da escola era realizada a Feira Cultural, onde além de apresentar os trabalhos dos alunos tínhamos o reforço da presença de nomes da cidade como a Escola de Artes com a professora Noêmia Ramos, as danças com alunos da Apae que emocionava a todos, a Escola de Ballet do Centro Cultural Mathias Gianolla, entre outros atrativos” comenta Marilene.

Um dos seus maiores feitos foi organizar na quadra esportiva os concursos A Mais Bela e o Mais Belo Estudante do Verano. Evento que chegava reunir quase dois mil expectadores e ganhava amplo apoio do comércio. A mais bela estudante representava a escola no Concurso Rainha da Festa Junina.
Hoje Marilene reencontra seus ex-alunos que se tornaram profissionais nas mais variadas áreas e relembra da participação ativa que sempre tiveram, com aquele orgulho de professora que agora comemora vendo seus pupilos em posição de destaque profissional.

 

Marilene Carrara Mesadri

A primeira fanfarra em 1983, da escola Wilson Prestes Miramontes, na av. São João

Evento A Mais Bela Estudante para eleger a representante no concurso Rainha da Festa Junina

 

(Cesar Silva é jornalista formado pela Uniso, gestor público pós-graduado pela Univ. Fed. do Estado do RJ (Unirio), membro da Academia Votorantinense de Letras, Artes e História e autor dos livros Nossa História Nossa Gente volumes I e II)

 

Coluna publicada na página 13 da edição 143 da Gazeta de Votorantim de 07 a 13 de novembro de 2015







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.