07/12/2015 - 12:54
E daqui a 50 anos?


Há 50 anos o pequeno distrito, embrião da cidade que conhecemos, partiu de uma população de 17.817 pessoas em 1965 para hoje, em 2015, estar com uma população estimada em 117.794 pessoas. Um aumento de quase 7 vezes! Olhando os dados do IBGE e brincando com os números, com certeza passaremos de 200.000 mil pessoas em 2065, quando chegarmos a 100 anos!

Fotos e declarações dos “Vanguardeiros” de 1963 delatam a precariedade estrutural com que se iniciava a vida em Votorantim. Sucessivas administrações já passaram pelo Paço e Câmara Municipal ao longo deste tempo empenhando-se em um trabalho de “montagem” de uma cidade “ideal”, cujo fim, nunca será alcançado dado a dinâmica de vida do povo.
Como nos preparar para o futuro, com tantas variáveis e incertezas?

Em avaliação do Tribunal de Contas do Estado, de todas as cidades paulistas, Votorantim foi classificada entre as 10 piores do estado, num total de 644 cidades. Trata-se do índice de efetividade de gestão municipal (IEGM).  As notas baixas foram atribuídas às áreas de Gestão de Planejamento e Fiscal.
Não imputando responsabilidades a atual administração pública, o que nos levou a esta posição foram mudanças ou até mesmo falta de definição de objetivos claramente definidos. Com os objetivos definidos, podemos planejar o caminho! Se verificarmos o significado da palavra planejamento temos: “Ato ou efeito de planejar, criar e desenvolver, por etapas e em bases técnicas, planos e programas com objetivos definidos”. As palavras chaves são: “planejamento e objetivos definidos”!

Para as eleições de 2016, vamos mudar os paradigmas e pensar grande! Que os partidos e coligações definam claramente os objetivos. Que tenham em seus quadros pessoas capacitadas e com vontade de modernizar nossas políticas, códigos e leis agilizando os processos administrativos e dando eficiência a área fiscal. Desenvolvimento de um parque industrial com empresas diversificadas em porte e compatíveis a nossa mão de obra. As escolas técnicas e faculdades já existem!

Estimular o comércio e serviços para outras regiões da cidade, através de leis e condições que facilitem a sua instalação. Expandir e organizar o atual Centro, absorvendo o centro antigo de nossa cidade. Remover ou adaptar o espaço da linha férrea para criação de novas ligações viárias entre estas duas regiões importantes.

A Gestão Fiscal decorrerá da administração dos recursos gerados. Afinal, precisamos garantir a nossa qualidade de vida através de: Segurança, Saúde e Educação. E não se esquecendo do importante equacionamento da dívida da Cidade com a Seguridade Social do Funcionalismo Público.
Em resumo, Srs. candidatos: Apresentem propostas com objetivos claros e procurem montar equipes competentes para quebrar este círculo vicioso de promessas e devaneios.

Cabem a nós, eleitores: Deixar a nossa zona de conforto, participar, se inteirar e cobrar resultados. Afinal de contas quantos ciclos de 50 anos nós temos pela frente? Somente como dica, a expectativa de vida do Brasileiro está hoje em 75,2 anos, segundo o IBGE. E ai, será que temos tempo para esperar até 2065?

(Noticia: Votorantim obtém nota baixa e fica entre as 10 piores cidades em políticas públicas – Gazeta de Votorantim de 07/11/2015.)

 

Artigo publicado na página 05 da edição 147 da Gazeta de Votorantim de 5 a 11 de dezembro de 2015







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.