04/01/2016 - 23:04
O DESPROGRESSO DO TREINADOR BRASILEIRO


Estava a ler a pouco tempo uma matéria de um treinador português a dizer que os portugueses vão sempre ter carreiras especiais por serem melhores que os outros, mas em todas as áreas, não só no treino, é na organização fora do treino, na estratégia do jogo, na tática do jogo, na forma de como estão no banco e de ver e sentir o que esta a se passar durante o jogo, e que os treinadores portugueses são os melhores do mundo e que ninguém tenha duvidas sobre isso. Porque as dificuldades fizeram com que eles fossem os melhores do que os outros, a necessidade de terem de aprender muitas áreas do que é o futebol e essa dificuldade abriu novos horizontes, que por exemplos os treinadores brasileiros não têm, por já terem os melhores jogadores do mundo e que sempre tivemos e ainda teremos, e com isso nunca foram obrigados a crescerem na área de treino e que hoje foram ultrapassados e que estão atrasados vinte anos em relação aos portugueses. Eu concordo em grau, número e em gênero com esse senhor treinador português, e vou passar o que realmente falta ao treinador brasileiro. O amor pela profissão, estudar, pesquisar, incitar e trabalhar, trabalhar, mas segue o texto para uma melhor compreensão. 

Como apaixonada pelo desporto tenho a minha definição de um dos aspectos da agilidade humana, com especial realce para o jogo, para o movimento intencional, ativação mental imediata de uma tomada de decisão, para o agonismo, para a instituição e o projeto. Emerge do desporto uma síntese do homo ludens(homem lúdico) e do homo faber(homem fazer), de ciência e de sapiência, de vida contemplativa e do esforço e da disciplina, típicos da transcendência educacional, social, emocional. Tenho paixão por filmes gregos e romanos e suas disputas em jogos, a seleção do jovem atleta desde o nascimento, a separação de seus pais, a formação psicológica e também de seu corpo e por terem sido os gregos os primeiros a mostrar-nos os vínculos profundos que unem ética, educação e desporto. Pausanias, personagem importante de O Banquete, de Platão, referia-se aos helenos como uma comunidade que sabia cultivar a filosofia e a ginástica, bem diferente daqueles povos bárbaros onde os tiranos não se preocupavam com a formação e a educação dos seus súditos, mas apenas em disputa sangrenta e guerra realmente uma barbárie. 

Os Jogos Olímpicos, que de 4 em 4 anos se celebravam, e ainda exercem uma ação educativa, ao converter o desporto em movimento de uma cultura integral. Poucos séculos transcorridos, em plena civilização romana, Cícero traduziu o itinerário educativo grego por humanistas, significando assim que é inútil e sem frutos e não próspera a educação que não tenha sempre em conta o homem todo. Quem não sabe de Desporto e há quem sabe só de Desporto, porque está na prática desportiva tudo o que é tipicamente humano, está no instinto humano a sobrevivência assim como a vitória está na melhor forma de criar estratégias, fuga, perseguição, encurralar a sua presa ou o seu oponente. Pois o risco sempre traz um desequilíbrio momentâneo pelo simples fato de ter de experimentar e experienciar sabores e sensações ao qual se desconhece pois o erro a derrota faz parte do processo de vivência e então a melhor maneira de evitar tudo isso, é se trabalhar a performance física e psicológica.

Aconselho-vos a ler os grandes autores que nos mostram o que é a vida e quem nos ensina o que é a vida pois estes estão a ensinar-nos o que é o desporto. O Desporto hoje é o fenómeno cultural de maior magia no mundo contemporâneo e que deveria ser estudado como se estuda uma ciência humana. Pois está no desporto a responsabilidade de mudar os velhos paradigmas, as velhas crenças imputas em nós desde criança, sobre a nossa incapacidade de fazer, ou ter algo, sobre as crenças de aceitação para derrotas e pobreza, de que não és digno para uma vida boa, e esse é o grande motivo de que grandes atletas acabarem desprestigiados ou pobres, por total falta de apoio e cultura de positivismo, filantropia e mentalidade vencedoras. Para mim, o treinador do futuro tem de ser um homem culto fadado somente ao agora e ir conquistando passo-a-passo o sucesso e o destaque, com prática constante do futebol ou seja lá qual outro tipo de desporto, mas também com grande erudição filosófica, humanistica e consciencial, no que respeite às grandes correntes do pensamento. Com ênfase no meu trabalho que é o futebol, o treino, no futebol, ou é com bola, ou não, desde já a ensinar ao atleta a criar a percepção de um jogo  futuro, qual seria a reação perante as vaias da torcida, como reagiria perante a uma entrevista, perante a um gol decisivo e assim criando a tela mental e nesse momento de criação é que ajusta o fator emocional. E dou o exemplo do samurai que não se prepara, saltando e correndo, mas sempre afiando a sua espada pacientemente seis ou oito horas por dia.

Sugestiono a filosofia como um dos fundamentos do desporto. Por isso, vários treinadores que tem essa visão se aproxima de suas próprias ideias, onde certamente só terá algum valor,  confirmadas na prática e não na teoria, entendendo que o  desporto só como ciência humana se pode entender; a sua metodologia é a específica das ciências humanas o desporto é muito mais do que uma Atividade Física e só como ciência humana deverá estudar-se e praticar-se. E isso basta-se para qualquer áreas de almejas atuar.







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.