15/02/2016 - 11:50
Capela de Santa Filomena foi um marco do Rio Acima
 Foto: Divulgação 

Templo religioso construído nos anos 50

Nos anos 50, a região do Rio Acima era formada em grande parte por sítios e chácaras, carecia de infraestrutura e de uma gama de serviços públicos. O crescimento populacional só ocorreu a partir da emancipação de Votorantim e consequentemente a instalação do município, quando as grandes propriedades aos poucos foram sendo loteadas, fazendo surgir um número considerável de moradias, arruamento e formação dos bairros adjacentes. A urbanização ganhou força a partir dos anos 70.

Mas voltando para os anos 50, a população em sua grande maioria católica não contava com uma igreja próxima, a alternativa era se deslocar até a igreja de São João Batista, no centro do distrito de Votorantim ou até a Capela do Sagrado Coração de Jesus, no bairro Cubatão.
Edson Correa é membro da igreja no bairro e pesquisa a formação da comunidade. Ele relata como surgiu a Capela de Santa Filomena e posteriormente no mesmo local, a reforma que a transformou em Igreja Matriz de Nossa Senhora Consolata.

“Esse grupo de fiéis que frequentava as igrejas no Centro e no bairro Cubatão ressentia de um templo religioso mais próximo. Foi graças à doação de um terreno de Pedro Augusto Rangel ao padre Antonio Maffei, que fez surgir a Capela, tendo o nome de Santa Filomena escolhido pela devota Dirce Barasnevícius” comenta Edson.

A construção ocorreu entre os anos de 1955 e 1958. Para ser finalizada houve o empenho de todos, trabalhando como pedreiros e auxiliares, ajudando com doação de materiais, além da realização de quermesses e busca por outras formas para bancar os custos da edificação.

Com a Capela pronta e a comunidade aos poucos crescendo, eram realizadas as celebrações, mas para os fiéis havia o sentimento que ainda faltava uma programação permanente de missas.

“Então membros da Igreja se propuseram a fazer revezamento para buscar e depois levar de volta o padre Henrique Piva, que era o capelão no hospital Santo Antônio e trabalhava junto das Irmãs Missionárias da Consolata no atendimento religioso. A partir daquele momento estavam garantidas as missas aos domingos” destaca Edson.

Foi com a participação ativa do padre Henrique Piva e o apoio das irmãs religiosas que a comunidade Santa Filomena ganhou novo impulso. Essa ligação forte da comunidade e da ação missionária fez com que entre 1972 e 1973 surgisse o desejo e fosse colocada em prática entre os membros da Igreja, a nova denominação, passando a ser comunidade Nossa Senhora da Consolata.

A igreja que contava até mesmo com sino instalado durante sua construção, estava posicionada com a fachada para a rua Angelino Pardini, número 65; sua lateral era na rua Santa Filomena e dentro da praça Santa Filomena que até hoje preserva o coreto.

O tempo foi passando e o Rio Acima se constituiu num dos maiores bairros da cidade. A Igreja ficou pequena para acolher a população local e seu entorno. Da mesma forma, Votorantim se expandiu, fez surgir diversas comunidades e ainda contava com somente uma paróquia, a São João Batista.

“Foi nos anos 90 que começou a se discutir a possibilidade de se desmembrar parte das comunidades da única paróquia existente. As atenções se voltaram ao Rio Acima que poderia se transformar na segunda paróquia da cidade. Até por que a Igreja estava estrategicamente bem localizada no centro do bairro, mas precisava ser reformada e ampliada. A porta do templo era muito próxima da rua, gerando perigo às crianças” relembra Edson.

Aquela que inicialmente era uma Capela foi totalmente modificada, no mesmo terreno surgiu uma igreja bem maior, com a frente voltada à rua Santa Filomena.

O dia 2 de fevereiro de 1997 marcou a instalação da Paróquia Nossa Senhora Consolata e posse do primeiro pároco, o padre Paulo Severino Malzoni. Mas não se pode deixar de registrar, que antes dessa data, as mudanças e construções no local tiveram o acompanhamento e participação dos padres João Alfredo Pires de Campos e Paulo Roberto Gonzales.
Os novos tempos fez surgir uma nova e imponente igreja, mas fez sepultar a simplicidade e aconchego da acolhedora Capela de Santa Filomena.

Edson Correa


Silvana Correa, Geni, Eliana Fadini, padre Mário, Eliane, Ivone e Nice, na 1ª Comunhão em 1978


Casamento de Silvana e Edson Correa na Igreja do Rio Acima

 

(Cesar Silva é jornalista formado pela Uniso, gestor público pós-graduado pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), membro da Academia Votorantinense de Letras, Artes e História e autor de dois livros sobre a História de Votorantim)

 

Coluna publicada na página 13 da edição 155 da Gazeta de Votorantim de 13 a 19 de fevereiro de 2016







Deixe seu Comentário

Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.