Anterior

Mais de 4 mil lâmpadas foram encaminhadas para reciclagem

29/06/2015

Anterior

Próxima

Escola colhe resultados com projeto de leitura

29/06/2015

Próxima
29/06/2015 - 11:16
Você conhece os assessores de seu vereador?


Com o desgaste pelo qual vem passando a classe política, uma função de extrema importância na vida daqueles que se submeteram às urnas e foram escolhidos para representar uma parcela da população, seja em âmbito nacional, estadual e, principalmente, municipal, é a dos os assessores.
Ressalta-se que ‘principalmente’ na esfera local, por ser nos municípios que o contato diário do eleito com o eleitor se pratica de forma muito mais constante.
A missão de um legislador de trazer para perto de si alguém que reúna qualidades pessoais e profissionais não é fácil, diferentemente de uma empresa, que recruta seus colaboradores através de um departamento de Recursos Humanos (RH), que tem a competência de fazer avaliações que asseguram que a pessoa tem o perfil da vaga disponível, que não possui desequilíbrio emocionais, ou desvio de caráter. Obviamente é impossível um departamento de RH acertar 100% sobre o desempenho e a conduta de seu futuro funcionário, mas a probabilidade de acerto é bem maior, se comparada aos que não realizam estas avaliações, como acontece nos poderes públicos com os cargos comissionados.
Portanto, não basta acompanhar e conhecer o seu eleito, é muito importante buscar informações sobre quem ele levou para auxiliá-lo, pois é esta pessoa que vai ser o elo entre eleito e eleitor.
Os critérios para se comissionar um assessor variam, mas quase sempre é aquela pessoa que tem uma relação pessoal com o eleito, podendo ser um amigo de infância, ou mesmo alguém que acreditou no projeto político do eleito e se dedicou ao máximo para sua vitória nas urnas, e com isto a recompensa é o comissionamento.
Foi através de leis e decretos que o nepotismo deixou de ser uma constante nos poderes legislativos e executivos, e até mesmo no judiciário, pois era muito comum parentes próximos fazerem a função de assessor, seja de seu irmão, do pai, tio, enfim, o que não significa que a criatividade dos políticos não tenha encontrado uma saída para burlar o artigo 37 da Constituição Federal, o qual diz que as administrações direta e indiretas dos três poderes devem seguir os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência na contratação de funcionários no serviço público.
Uma maneira de ludibriar os eleitores e até quem tem que os punir (poder Judiciário) é a troca de favores na hora de se contratar um assessor, como parentes próximos de um legislador (vereador) serem contratados pelo executivo (prefeitura), em troca de favores políticos, ou vice-versa, e é aí que perde toda a cadeia humana envolvida: perde o vereador, pois vai ter um assessor incompetente, perde o assessor, que está com sua vida profissional comprometida e fora do mercado de trabalho e perde a população, que vai ser atendida por alguém que fez parte de uma moeda de troca.
Para as regras há sempre exceções, e usando a nossa Câmara Municipal de Votorantim como exemplo, o quadro de assessores tem uma variação de perfis. Pensando do lado positivo, o exemplo é o advogado Fábio Lugari, que foi convidado para assumir o cargo pelas suas atribuições e competência profissionais. Lugari não foi indicado por ninguém, e muito menos distribuiu “santinho” na campanha de Eric Romero para vereador. Em seu dia a dia de trabalho na Câmara de Votorantim, Fabio Lugari busca ser um apaziguador de situações que podem colocar seus assessorados em situações difíceis e, sobretudo, procura conquistar e agregar pessoas e não as afastar e fazer com que seus assessorados criem inimigos políticos.
Mais do que fazer assessoramento técnico e político, planejamentos e execução das ações legislativas, cuidar de processos legislativos, elaborações de projetos de Leis, prestar assessoramento em atividades internas e externas, dar atenção às demandas da população que chegam ao seu assessorado (vereador), espera-se de um assessor o bom senso de ajudar seus assessorados e não criar situações que possam prejudicá-lo.
Portanto, mais do que conhecer os nossos eleitos, é de extrema importância um conhecimento de quem são as pessoas que estão ao lado deles, isto vai fazer toda diferença.

Werinton Kermes é jornalista

Notícia publicada na edição nº 124, de 27 de julho a 3 de junho de 2015, do Jornal Gazeta de Votorantim










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.