Anterior

Ações de combate à dengue continuam em Votorantim

05/07/2017

Anterior

Próxima

Turista pode conhecer parte da história da Estrada de Ferro no Centro de Memória Ferroviária de Campos do Jordão

05/07/2017

Próxima
05/07/2017 - 16:27
Frente Parlamentar que vai investigar o crescimento das desonerações do ICMS no Estado de São Paulo é implantada na Alesp
 Foto: Divulgação 

Com 19 assinaturas necessárias, a Frente Parlamentar que vai investigar e fiscalizar o crescimento das desonerações do ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) para os setores da economia no Estado de São Paulo foi criada nesta terça-feira (4) na Assembleia Legislativa (Alesp). A iniciativa é do deputado estadual Raul Marcelo (PSOL).

“Em um momento de escassez de recursos e de dificuldades do estado prestar os serviços mais básicos, caberiam revisões de desonerações fiscais concedidas, algumas das quais com pouca transparência e rara informação sobre o retorno social e econômico dessas renúncias”, afirma Raul Marcelo.

No entanto, o mandato é a favor da desoneração dos produtos da cesta básica, assim como na redução do imposto indireto sobre a trabalhadora e o trabalhador. “Sou contrário às desonerações que apenas servem para elevar às margens de lucros de grandes empresas, muitas delas sem a contrapartida de geração de empregos.

Segundo as Propostas de Lei de Diretrizes Orçamentárias, entre 2010 e 2016, o Estado de São Paulo estipulou a destinação de R$ 92 bilhões com desonerações do ICMS, a preços de janeiro de 2017. Para este ano, os valores previstos são da ordem de R$ 14,6 bilhões, elevando-se em um bilhão anualmente para os anos de 2018 e 2019.

“Diante dos valores envolvidos, da ausência de critérios claros e objetivos na destinação desses recursos, bem como da ausência de transparência e do acompanhamento dos impactos sobre a atividade econômica e social, defendemos a criação da Frente Parlamentar das Desonerações do Estado de São Paulo”, afirma Raul Marcelo.

Para o deputado, os recursos direcionados aos setores produtivos e de serviços também geram prejuízos às frações da administração pública cujas receitas estão vinculadas ao ICMS, caso das universidades, Educação, Saúde, Ciência e Tecnologia, entre outros.

“Recentemente, o Estado do Rio de Janeiro se viu compelido a atrasar pagamento de servidores públicos e de fornecedores pela queda da arrecadação, levando ao centro do debate a política de desonerações que não seguia critérios rígidos e definidos”, diz. “O estado de São Paulo possui o mesmo vício, não estando tal política regida por objetivos previamente delineados, nem existindo transparência pública sobre os setores beneficiados e os impactos acumulados ao longo do tempo”, completa.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.