Anterior

Buracos nas ruas incomodam motoristas de Votorantim

14/11/2017

Anterior

Próxima

Necrologia (02 a 09 de novembro de 2017)

14/11/2017

Próxima
14/11/2017 - 13:22
Cidade apresenta bons resultados no Índice Paulista de Responsabilidade Social

Apesar dos dados positivos, mortalidade infantil apresentou aumento em 2014
 Foto: Divulgação  

Vanessa Corrêa
(programa de estágio)


O município de Votorantim obteve progresso no Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS) nos dados referentes a 2014, divulgados na última semana. Em 2012, o município pertencia ao Grupo 2, e em 2014 foi classificado no Grupo 1, que agrega bons indicadores de riqueza, longevidade e escolaridade.

O IPRS acompanha as mudanças na condição de vida dos habitantes a cada dois anos, e fornece aos gestores públicos uma referência para implementação de políticas públicas nas áreas mais carentes. O índice é uma iniciativa da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) e elaborada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), sendo reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU), aponta a qualidade de vida dos 645 municípios do Estado paulista.

No quesito Escolaridade, Votorantim registro estabilidade, mantendo seu índice acima da média estadual, porém, a taxa de atendimento escolar de crianças de quatro a cinco anos, caiu de 98,9% para 88,3%; já a média de nota dos alunos do 5°ano do ensino fundamental da rede pública que atingiram o nível adequado nas provas de matemática e língua portuguesa, cresceu de 51,0% para 58,1%; a média dos alunos do 9° ano que atingiram resultado satisfatório nas mesmas disciplinas decresceu de 23,8% para 23,3%; e o percentual de alunos com atraso escolar no ensino médio reduziu-se de 10,8% para 7,7%.

Segundo a pesquisa, nos índices de riqueza e longevidade as variáveis não foram ruins, porém o município permaneceu abaixo da média do Estado. Aos índices englobados à Riqueza está o consumo anual de energia elétrica por ligação na agricultura, serviços e no comércio que se elevou de 15,28 MWh para 27,00 MWh; o consumo residencial também apresentou aumento, passando de 2,40 MWh para 2,44 MWh. Também vinculado à riqueza municipal está o rendimento médio do emprego formalizado, que variou de R$2.275 a R$2.304.


Aumento na mortalidade infantil
Já em relação ao item Longevidade, na taxa de mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) teve a variação de 13,08 para 13,76; a taxa de mortalidade perinatal (por mil nascidos) passou de 13,98 para 14,06; já a taxa de mortalidade de pessoas de 15 a 39 anos (por mil habitantes) caiu de 1,40 para 1,35; e a taxa de mortalidade de pessoas de 60 a 69 anos (por mil habitantes) reduziu-se de 20,9 para 18,13.

Os dados da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) foram apresentados pela Alesp na Câmara Municipal de Sorocaba na última semana, e o índice teve destaque, pois a região apresentou indicadores de escolaridade superiores à média do Estado de São Paulo, com destaque para os municípios de Araçariguama, Alambari, Ibiúna e Quadra.

Segundo a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, em sua nona edição da pesquisa, o conjunto de dados e análises apresentadas propicia aos gestores públicos e à sociedade elementos para o planejamento governamental de cada município. Informações disponíveis no site. (Supervisão: Luciana Lopez)



Reportagem publicada na página 05 da edição 244 da Gazeta de Votorantim de 11 a 17 de novembro de 2017










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.