Anterior

Loja do Iguatemi Esplanada traz produtor artístico para customizar roupas para o Carnaval

08/02/2018

Anterior

Próxima

Marchinhas abriram o Carnaval em Votorantim

08/02/2018

Próxima
08/02/2018 - 13:02
Pedra nos rins: verão faz aumentar incidência do problema

Médicos urologistas explicam o motivo e dão dicas para prevenir o distúrbio
 Foto: Divulgação/ Ilustração A água é essencial à sobrevivência de todas as espécies, pois mantém o corpo hidratado e funcionando corretamente, principalmente no verão, quando as altas temperaturas fazem aumentar a transpiração e a consequente perd 

A água é essencial à sobrevivência de todas as espécies, pois mantém o corpo hidratado e funcionando corretamente, principalmente no verão, quando as altas temperaturas fazem aumentar a transpiração e a consequente perda de líquidos do organismo.

O consumo reduzido de água pode provocar diversos problemas de saúde. Um deles são os cálculos renais, as populares “pedras nos rins”, como explica Dr. Guilherme Valentim, médico urologista da Ápice Medicina Integrada. “O cálculo ocorre quando há um aumento excessivo na concentração de substâncias presentes na urina, principalmente cálcio e ácido úrico, que acabam solidificando e formando pequenos cristais, que provocam quadros inflamatórios e dores intensas na região. Esta condição ocorre com mais frequência no verão, pois a transpiração aumenta a perda de líquidos, deixando o corpo mais desidratado. Podemos observar isso claramente com a urina escura”.

A formação dos cálculos é provocada em grande parte pelo baixo consumo de água, alerta o médico. “Consumir pouca água é o principal dos fatores que contribuem para as pedras nos rins, sendo responsável por mais da metade dos casos. Os outros causadores envolvem consumo excessivo de alimentos ricos em ácido úrico e em oxalato, uma substância presente em alimentos como: amendoim, nozes, chocolate espinafre, beterraba e castanhas”, detalha o especialista.

O principal sintoma de cálculo urinário é a dor intensa na região dos rins, que ocorre quando os cálculos se deslocam do rim para o ureter, canal que leva a urina até a bexiga. “Quando os cálculos ainda não se movimentaram, o problema não apresenta sintomas, sendo, muitas vezes, descoberto por acaso, quando é feito uma ultrassonografia por outro motivo”, complementa o médico.

Tratamento e prevenção

Dr. Marcelo Mai Jurado, também médico urologista da Ápice Medicina Integrada, explica que são diversas as formas de tratamento, que variam de acordo com a gravidade do problema. “Primeiramente utilizamos medicamentos analgésicos para aliviar a dor. Em seguida, fazemos exames para descobrir o tamanho dos cálculos e saber se é possível que sejam eliminados naturalmente. Se as pedras forem muito grandes e impossíveis de serem expelidas, há necessidade de realização de um tratamento cirúrgico, por exemplo um procedimento chamado ureterolitotripsia endoscópica, onde, com o auxílio de uma micro câmera introduzida no canal da urina, progredimos até o cálculo e o fragmentamos utilizando um laser, o que possibilita a extração dos cálculos”, explica o médico.

Ainda de acordo com Dr. Marcelo, a prevenção aos cálculos renais se dá pela adoção de hábitos saudáveis, como: beber pelo menos 2 litros de água por dia, manter o peso adequado,  manter controle adequado de doenças crônicas como diabetes, hipertensão e gota, realizar alimentação balanceada evitando a ingestão excessiva de proteínas de origem animal e principalmente de alimentos com excesso de sal (sódio) que é considerado um dos principais vilões para a formação dos cálculos renais.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa 










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.