Anterior

Volta para casa moça que sobreviveu ao acidente de carro

10/02/2018

Anterior

Próxima

PM inibe encontro de menores regado a drogas e bebidas

12/02/2018

Próxima
12/02/2018 - 10:00
Fundação de Seguridade constrói sede própria de R$ 1 milhão

Presidente planeja fazer concurso público para contratação de novos funcionários
 Foto: Jorge Silva/ Gazeta de Votorantim  

Nova sede deve ficar pronta até dezembro

Matheus Cirone

(programa de estágio)


“Como todo cidadão, queremos nossa própria casa.” Wilson Menna, presidente da Fundação Seguridade Social dos Funcionários Públicos do Município de Votorantim há cinco anos, define assim a construção do novo prédio para a instituição. Localizado na Avenida Philomena Lopes Vasques, número 177, a nova casa da Fundação terá 470m² e custará cerca de R$ 1 milhão.

Segundo Menna, o novo local poderá atender melhor ao público, além de gerar novos empregos, já que o atual prédio é uma casa adaptada. “Aqui é uma casa para uma família de quatro pessoas e trabalhamos com 15, 16, aqui dentro, está apertado e faltam funcionários”, diz o funcionário público aposentado de 76 anos. Ele ainda fala sobre a grande probabilidade de se fazer um concurso público para contratação de novos funcionários. “Precisamos de médicos, advogados, assistente social, entre outros serviços”, adianta. 

O presidente garante que não mexerá no dinheiro da previdência para realizar a construção. “O dinheiro da previdência é sagrado, não mexerei”, afirma. De acordo com ele, toda a verba investida advém de uma doação da Caixa Econômica Federal, que venceu a licitação na qual tinha a condição que para ser o banco responsável pelas contas dos aposentados, teria que ‘bonificar’ a Fundação com o valor de R$ 1 milhão exclusivamente para a construção da nova sede. “A Caixa Econômica depositou o dinheiro em uma conta especial, onde os juros ajudam a aumentar essa verba. São quase dois anos que a conta esta lá, conseguiremos pagar toda a obra”, afirma. 

Sobre o déficit no cálculo atuarial, que é a perspectiva da quantidade de dinheiro que a Fundação terá daqui 35 anos, em relação ao total que deverá pagar para os aposentados, Menna diz que a preocupação existe. “Nesse momento é deficitário, mas estamos conversando com a Prefeitura para que possamos ter uma verba que consiga cobrir os gastos no futuro”, finaliza sem oferecer mais detalhes. (Supervisão: Luciana Lopez)

 

Texto publicado na página 03 da edição 254 da Gazeta de Votorantim de 10 a 16 de fevereiro de 2018










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.