Anterior

Fundação de Seguridade constrói sede própria de R$ 1 milhão

12/02/2018

Anterior

Próxima

Necrologia (01 a 08 de fevereiro de 2018)

12/02/2018

Próxima
12/02/2018 - 10:00
PM inibe encontro de menores regado a drogas e bebidas

Encontro de adolescentes acontece há muitos meses no Mini Terminal do Centro e pista de skate

Na última terça-feira (06), a Polícia Militar de Votorantim realizou uma operação para inibir ações criminosas durante o encontro de jovens, que acontece todas as terças-feiras na pista de skate e no Mini Terminal do Centro, em Votorantim. 

O encontro é realizado no local há alguns meses, com grande aglomeração de adolescentes.

Recentemente nossa reportagem esteve no local e observou um grande consumo de drogas por menores de idade.

O encontro

“Aqui é legal, eu venho para conversar com minhas amigas, mas a maioria vem para beber e usar drogas, e são menores”. Esse é o relato de uma das participantes do encontro de jovens, que um dia foi chamado de “rolezinho”.

Alguns chegam andando, outros de ônibus, poucos de carros, muitos de bicicleta, principalmente os garotos, as motos se fazem presentes, também. Em poucos minutos, o local que estava vazio é tomado por jovens, que formam grupos de conversa. Não demora muito para que os alguns rapazes, quase em sintonia ou cantando, à capela, “Quem tem Seda?”, do Planet Hemp, se juntem para fumar um “beck”, como intitulam a maconha.

São centenas, talvez, milhares de garotos e garotas, na faixa dos 14 aos 20 anos reunidos ao som do funk, ao mesmo tempo, vendedores ambulantes montam suas barraquinhas no Mini Terminal do Centro. Enquanto um vende salgados, outros dois oferecem: “Olha o veneno, três por R$10,00”, gritam. Segundo um dos jovens que estava no encontro, veneno é a mistura de bebida alcoólica com energético. “Cachaça com energético. Toma um gole ai”, oferecendo a garrafinha de plástico de 500ml, com o líquido alaranjado dentro. O rapaz que oferece destoa das vestimentas dos demais. Enquanto usa jaqueta de couro, calça preta, bota nos pés e cabelo à mostra, a maioria veste shorts jeans ou calça de tactel, moletom, tênis e boné. Ele, ainda, relata que toda semana está no encontro. “Todas as terças eu venho”, conta ao mesmo tempo em que toca, no violão “Wish You Were Here”, do Pink Floyd. 

As garotas, na maioria, usam vestidos ou shorts e consomem álcool, porém são mais discretas. Quando duas delas são questionadas sobre as idades, uma, de vestido preto, responde. “Eu tenho 18”. Quase interrompendo a fala da amiga, a outra afirma, sem muita convicção. “Eu tenho 20”, imediatamente gargalhando, como se estivesse mentindo a idade. 

No local, cada vez mais cheio, o consumo de maconha, lança perfume e álcool é nítido. “Tá vendo? Não tem Polícia. Antes era na Praça de Eventos, mas a Polícia tirou a gente de lá e viemos para cá, acho que desde 2015”, diz uma garota de 20 anos, moradora do bairro Vila Irineu, em Votorantim, enquanto espera as amigas. O relato aconteceu antes da ação policial, na última terça.  Ela conta que, apesar de estar fazendo curso preparatório para a Polícia Militar, sabe que muitos ali deixam de ir à escola para manter a tradição do encontro. “Muitos, pelo menos a maioria, falam que vão até a escola e faltam”, relata. Ainda comenta sobre o horário de maior movimento do encontro. “As pessoas começam a chegar a partir das 22h, pois a venda de drogas é maior. Eu, particularmente, não curto essas coisas, só venho para me divertir”.

Segundo uma ex-frequentadora do encontro, em Votorantim, que hoje tem 18 anos, mas na época em que participava era menor de idade, fala que, das muitas vezes que esteve no local, o intuito sempre foi de conhecer pessoas novas e dançar. “Eu ia com algumas amigas, que também conheciam outras pessoas e,  a partir disso, o nosso meio social ia crescendo”. Entretanto, apontou que o uso de drogas é bastante comum entre as crianças e os adolescentes. “Eu não tenho e nunca tive o interesse de consumir drogas, mas muitas das pessoas que estavam lá, era para o uso dos entorpecentes e álcool”.

Apenas um ônibus parou no Mini Terminal, para que alguns jovens descessem, enquanto os outros desviavam do ponto de desembarque, já que a rua estava tomada por bicicletas e algumas motos, que eram empinadas, por jovens sorridentes em mostrarem suas ‘habilidades’. Chamou a atenção, a presença de um menino, de aproximadamente 10 anos, no meio de rapazes com idade muito mais elevada que a dele.

Olhar das autoridades

Questionada sobre a ciência do encontro de jovens, o consumo de drogas e álcool por eles, e as políticas públicas para os jovens, a Prefeitura de Votorantim diz que acompanha com atenção as questões sociais, inclusive o encontro de jovens e informa que atua dentro das atribuições e em parceria com os órgãos competentes a questão. Ainda afirma que conta com políticas públicas voltadas ao público jovem, através das secretárias municipais de Cultura, Turismo e Lazer (Sectur), Desporto (Sedesp), Educação e Cidadania e Geração de Renda (Seci). “Entre os Programas está o Ação Jovem, que atende jovens de 15 a 24 anos com objetivo de estimular a conclusão da escolaridade básica, e oferecer ações complementares e de apoio a iniciação profissional. Para acesso ao Programa o jovem é cadastrado pelos CRAS e pela própria Secretaria de Cidadania conforme as vagas liberadas pelo programa através do Governo do Estado”, informou.

Já o Conselho Tutelar diz que não compete ao órgão a fiscalização de locais em que crianças e adolescentes possam estar desacompanhados dos pais. Sobre os adolescentes que deixam de ir às aulas para comparecerem ao encontro, o Conselho afirma que só pode atuar após o esgotamento de todos os recursos da Secretaria de Educação.

A Polícia Militar disse que “diante de qualquer conduta ilegal, a Polícia Militar toma as medidas necessárias, no entanto, não cabe a instituição proibir ou coibir a reunião de pessoas em locais públicos” e prossegue sugerindo que a população denuncie crimes. “Orientamos à população que ao presenciarem ou tomarem conhecimento de qualquer tipo de irregularidade que constituam de fato crime, devem procurar comunicar a Polícia Militar através do telefone de emergência 190, passando as informações necessárias para que ações assertivas possam ser efetivadas”. 


Texto publicado na página 05 da edição 254 da Gazeta de Votorantim de 10 a 16 de fevereiro de 2018



Veja mais fotos:








Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.