Anterior

Jogo do Brasil: INSS fecha pela manhã e não avisa segurados com perícia marcada

22/06/2018

Anterior

Próxima

Fim de semana tem Turma do Pagode e Larissa Manoela na Festa Junina

23/06/2018

Próxima
22/06/2018 - 23:55
Pedido de reintegração de posse motiva manifestação no Paço
 Foto: Rony Queiroz 

Moradores do Jardim Serrano tem 1 mês para deixar a área

Sandra Mara Sanches

(programa de estágio)

 

Moradores de uma área pública do Jardim Serrano, em Votorantim, foram chamados pela Prefeitura de Votorantim para uma reunião, realizada na última quinta-feira (21), na Escola Municipal de Música, na qual teriam sido informados que o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, atendendo à solicitação da Prefeitura de Votorantim, autorizou a reintegração de posse do terreno, e desta forma, os moradores teriam que deixar a área em 30 dias.

Dezenas de pessoas se dirigiram ao Paço Municipal e realizaram uma manifestação no final da tarde de quinta-feira.

Moradora há mais de cinco anos do local, a balconista Graziela Alves da Silva comentou que não tem para onde ir. “Ficamos sabendo ontem (quarta-feira) sobre essa reunião, na qual estava até a Polícia Militar e fomos informados que teremos que deixar a área em até 30 dias. E isto vale tanto para quem está lá há mais tempo, como eu, como para aqueles que chegaram recentemente. Meu marido começou a trabalhar agora, tenho três filhos pequenos e são várias as crianças que vivem lá. Cada um está lá porque precisa, porque tem necessidade. O salário da gente mal dá para comprar o que comer. Por que não dão um pedaço de terra para a gente, e daí cada um constrói sua casa? É um absurdo dizerem que a gente tem que sair em 30 dias. Para onde a gente vai?”, questionou.

A dona de casa Alça Ramos da Silva mostrou-se preocupada com a situação. “Tenho 64 anos, um filho deficiente e meu marido de 76 anos tem problemas no coração, na próstata, diabetes e pressão alta. Como eu vou pôr meu filho que não fala e não anda na rua? Não tenho condições de pagar aluguel. Estou cadastrada no programa habitacional, mas não me chamaram para morar no apartamento. Como eu vou fazer?”, disse apreensiva.

O vice-prefeito Lê Baeza saiu do gabinete para falar com os moradores e também atender à nossa reportagem. “Após o programa de desfavelamento, algumas famílias não contempladas continuaram morando nas áreas públicas e, com o tempo, esses terrenos lotaram de novo de barracos. O setor jurídico da Prefeitura de Votorantim solicitou a reintegração de posse na Justiça, pois a área é pública. Alguns lugares são, inclusive, área de risco. A gente queria poder dar casas para todos, mas não tem nenhum programa de desfavelamento disponível no momento. Os moradores terão que procurar um advogado para tentar estender o prazo estabelecido. Não se trata de uma decisão minha ou do prefeito, e sim do corpo jurídico da prefeitura”, disse Lê Baeza. (Supervisão: Luciana Lopez)

 

 

Reportagem publicada na edição 273 de 23 a 29 de junho de 2018 da Gazeta de Votorantim, página 03

 










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.