Anterior

Apenas 31% dos brasileiros são consumidores conscientes, revela pesquisa

16/10/2018

Anterior

Próxima

Campus Sorocaba da UFSCar realiza Universidade Aberta no dia 27 de outubro

16/10/2018

Próxima
16/10/2018 - 13:57
Diagnóstico precoce do câncer de mama aumenta chances de cura

Médico mastologista reforçar que as mulheres, principalmente com mais de 40 anos, devem realizar a mamografia e o autoexame periodicamente
 Foto: Imagem Ilustrativa 


O mês de outubro é voltado para a prevenção do câncer de mama, assim como para conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce da doença, aumentando, assim, as chances de cura. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) apontam, neste ano, 59.700 novos casos de câncer de mama, sendo que, a cada 100 mil brasileiros, 56 podem apresentar a doença. 

Dr. Alexandre Vicente de Andrade, médico mastologista e diretor técnico do Hospital Evangélico de Sorocaba, explica que o câncer de mama é classificado em cinco estágios, sendo que, na fase inicial, as chances de cura são extremamente altas. “No estágio avançado, a probabilidade de cura diminui, podendo, até mesmo, levar a pessoa a óbito. Por isso, o diagnóstico precoce é indispensável, pois aumenta significativamente as chances de sobrevivência do paciente”, esclarece

De acordo com Dr. Alexandre, no início, a doença costuma não demonstrar sintomas. Contudo, com o crescimento do tumor, o corpo começa a manifestar alguns sinais, tais como: nódulo endurecido e não doloroso no seio ou próximo das axilas, saída de líquido dos mamilos, vermelhidão, inchaço e alterações no formato, ou no tamanho, das mamas, dentre outros. “O nódulo ou caroço na mama é o sintoma mais conhecido pela população, mas é preciso também estar atento aos outros sinais”, pontua.

O médico mastologista elucida que as mulheres com mais de 50 anos são mais propensas a ter o tumor na mama. Alguns fatores de risco são a menstruação precoce, a menopausa tardia, a gravidez após os 30 anos e o histórico familiar de câncer de mama em parentes de primeiro ou segundo grau direto. “O fator hereditário tem grande importância na definição do risco de um paciente vir a ter a doença. Assim, é necessário procurar médicos especialistas para orientação e acompanhamento”. 

Além disso, obesidade, sobrepeso, alcoolismo e sedentarismo podem influenciar no desenvolvimento do câncer de mama. De acordo com o especialista do Hospital Evangélico de Sorocaba, mulheres, principalmente a partir dos 40 anos, devem realizar, anualmente, a mamografia e, mensalmente, o autoexame. O tratamento mais adequado para cada caso e estágio será indicado pelo médico. “Se a paciente tiver um histórico familiar, o rastreamento pode ser iniciado, inclusive, antes dos 40 anos”, aconselha.

Ainda, apesar de ser raro, o tumor na mama também afeta os homens com idade mais avançada, havendo a possibilidade de apresentar os mesmos sintomas que a mulher. “Já, quando a doença se manifesta em homens, a mastectomia, cirurgia de retirada das glândulas mamárias, é a principal forma de tratamento”, diz Dr. Alexandre. 

O Hospital Evangélico de Sorocaba conta com exames que auxiliam no diagnóstico precoce do câncer de mama, como a mamografia. Outras informações podem ser obtidas pelo site: hospitalevangelico.org.br ou pelo telefone: (15) 2101-6600.


Fonte: Q Notícia










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.