Anterior

Ciesp Sorocaba abre vagas para curso inédito de eSocial

26/01/2019

Anterior

Próxima

Bolo de chocolate especial

26/01/2019

Próxima
26/01/2019 - 10:35
6 anos de Gazeta de Votorantim! Como anda nosso esporte?

Kaká Martins

Parabéns e obrigado Luciana, Mônica e Kermes, por depositarem em mim a confiança de escrever sobre o esporte na cidade, área que convivi cobrindo eventos e descobrindo talentos e curiosidades nestes últimos 10 anos em Votorantim.

6 anos de coluna esportiva, onde tenho a oportunidade de expor meu pensamento, fazer análises e acompanhar o desenvolvimento dos projetos esportivos da cidade, seja no âmbito público, ou de iniciativa pessoal, de grupos e agremiações.

Muita coisa boa aconteceu nestes últimos anos na cidade, mas há quem diga que o esporte por aqui já viveu tempos áureos, e por certo estamos longe de alcançar aquela hegemonia no atletismo, das equipes de ginástica, vôlei, basquete, futsal, etc ...

Os destaques de hoje são outros e os tempos e atitudes públicas mudaram com o avanço tecnológico, e a verdade é que estamos vivendo um momento em que o desinteresse para a prática esportiva parece ser infinito, e tão cedo, esse cenário não terá chances de se alterar.

Só uma força tarefa nacional, com incentivos vindos de "cima para baixo", trará mudanças bruscas na cultura do brasileiro, que nunca deu valor para o esporte, ou prática de exercícios, como é comum no Oriente, Europa, como foi na Rússia e tão valorizado com incentivos de bolsas de estudos e universidades nos Estados Unidos.

Já que o presidente Bolsonaro se inspira nos "moldes" americanos, que implante então por aqui as práticas de incentivo americanas, que forçam o aluno a praticar alguma modalidade esportiva, ainda que o celular ou tablet sejam mais atrativos para ele.

Por aqui, o baixo orçamento da pasta não deve servir como desculpa para "brecar" o crescimento ou o apoio as modalidades já existentes.

O judô teve confirmado seu apoio junto ao prefeito Fernando de Oliveira e o tênis de mesa, o bicicross, o futebol de campo, de futsal com suas várias categorias, devem continuar como referências de prática esportiva, pois, pelo que se percebe, a cidade não vai avançar mais do que isso, ao menos que use criatividade, faça parcerias com iniciativa privada, e aproveite os poucos professores para orientarem a população com aulas de ginástica ao ar livre aproveitando os espaços públicos como centros esportivos e praças esportivas.

O secretário de esportes Raul Bueno parece ter disposição, capacidade de diálogo, conhecimento técnico e ótimas ideias.

A copinha deste ano não foi ruim. Porém, em anos anteriores foi um sucesso. Agora é juntar os cacos para quem sabe, em 2020, tenhamos "aquela" copinha tão sensacional que empolgou os Votorantinenses durante décadas. Tarefa difícil, mas não impossível.

Que tenhamos um "Jogos Regionais" como em 2013, quando fomos anfitriões, dando aquela sensação de que a cidade ainda tem chances de se firmar entre as grandes forças esportivas do estado.

Que sejam melhor aproveitados os "abandonados" centros esportivos, e muito pouco usadas as quadras do Cermag e ginásio tão moderno como o do Mirante dos Óvnis. Que campos de futebol tenham a manutenção necessária e condições para mandos de jogos dignos da história futebolística da cidade.

A cidade precisa se unir.

Só o "grito" de socorro do secretário Raul e de atletas em atividade serão insuficientes para "acordar" Votorantim, que adormece e se acomoda nas questões de política esportiva da cidade.

Nosso esporte e nossa história merecem mais.

 










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.