Anterior

Maria Lúcia Amary conquista R$ 2 milhões para municípios da região

28/01/2019

Anterior

Próxima

Internacional e Avaí decidem a Copinha

28/01/2019

Próxima
28/01/2019 - 12:47
Após revogação de edital, Prefeitura firma parceria com Apajusvo

Ivana Santana
 Foto: Ivana Santana 

Vinicius Henrique Gonçalves Domingues

A Secretaria de Desporto de Votorantim firmou uma parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Judocas de Votorantim (Apajusvo). Com isso, os alunos da Associação devem fazer parte da Seleção Municipal de Judô. A parceria, anunciada este mês pelo secretário de Desporto Raul Bueno, aconteceu após o Chamamento Público Nº 003/2018 ter sido revogado. O chamamento tinha como objetivo a “seleção de organização da sociedade civil (OSC) interessada em celebrar termo de colaboração para gestão do Projeto Judô, destinado ao atendimento de crianças, jovens e adultos do município de Votorantim” e foi revogado no último dia 13 de dezembro.

A Secretaria de Negócios Jurídicos esclareceu que a Prefeitura de Votorantim acolheu argumento da Apajusvo, reconhecendo que não houve a publicação da portaria que substituiu um membro da comissão julgadora. Assim, entendeu-se que a revogação do chamamento era necessária, pois a falta de publicação poderia causar a anulação judicial do certame.

O secretário de Desporto explicou que não há a necessidade de abrir um novo chamamento: “se a secretaria tem o esporte, se existe o esporte na cidade, eu não preciso fazer chamamento para uma empresa particular vir e fazer o mesmo trabalho que nós já estamos fazendo. Por que eu vou fazer um chamamento para colocar uma coisa que nós já temos graciosamente na cidade, que não tem custo para nós? Isso é feito quando você não tem a modalidade dentro do seu quadro. Mas no judô já existe”.

“A Apajusvo realiza um trabalho na cidade há 21 anos. Eles fazem um trabalho maravilhoso em Votorantim. E nós temos esse trabalho como uma parceria. Eles disputam campeonatos, eles têm uma qualidade de alto rendimento. A prefeitura, em contrapartida, não está aqui para patrocinar ninguém, ela está aqui para apoiar. Então, em comum acordo com os pais, nós entendemos que o judô em Votorantim já existe há 21 anos. O que nós vamos fazer é apoiá-los um pouco mais, mas não patrociná-los. Eles fazem parte do nosso quadro de atletas, assim como temos o bicicross, a seleção de futebol e o tênis de mesa de Votorantim”, explicou o secretário.

Segundo Raul, o judô pertence a cidade de Votorantim. “Então, os atletas vão disputar campeonatos regionais e abertos. Todo campeonato que for em nível municipal, eles vão representar a cidade, eles pertencem a secretaria. E nós vamos dar um apoio. Esse apoio seria uma condução, às vezes uma alimentação”, destacou.

“E tudo que eles foram disputar que for de âmbito particular, o poder público não pode ajudá-los. E aí entra a Associação, seus integrantes vão atrás de patrocínio, porque eles podem, por ser uma Associação. Mas o que estiver dentro do nosso cronograma, do nosso calendário, aí sim nós vamos apoiá-los. (...) Eles vão nos ajudar bastante, porque eles vão representar Votorantim em vários campeonatos que a secretaria não poderia bancar. Eles vão angariar recursos e vão disputar”, explica o secretário.

Raul ainda ressaltou que a prefeitura deve ceder um prédio para a Apajusvo, que deve ser um Centro de Treinamento de Judô. As reformas no local estão sendo realizadas e devem ser finalizadas nas próximas semanas.

“A Apajusvo tinha uma dificuldade muito grande, porque eles pagavam aluguel, eles tinham um custo. E a Associação, às vezes, não tem condições de pagar isso, então vamos montar um Centro de Treinamento de Excelência de Judô. Nós já temos o local, será no bairro Rio Acima. Lá eles não vão pagar aluguel, por ser um prédio público. E o que é legal nisso é que os melhores atletas das ações que temos nos bairros vão treinar lá. Vai se tornar um Centro de Excelência, porque será da Seleção de Votorantim. E lá estarão os nossos professores, ou seja, os professores da secretaria de Desporto que vão dar aula lá. Então não tem vínculo nenhum com partes particulares”, esclareceu Raul.

O novo prédio deve ter ainda biblioteca, sala de informática e espaço para reuniões. “Vai ser um espaço multidisciplinar. É importante levar um pouco de qualidade em educação, em formação cultural e o esporte é uma ferramenta para isso”, afirma o secretário.

De acordo com a presidente da Apajusvo, Rozana Suane Abreu Nunes, a parceria é muito benéfica para eles. “O secretário teve esse comprometimento e parceria, ele disse que não havia mais necessidade de um chamamento devido a nós já estamos trabalhando e já estarmos em funcionamento dentro da cidade. Já temos um projeto de credibilidade. Então ele não achou necessário ter chamamento. Aqui no prédio onde hoje funciona a Apajusvo nós estamos alocados, pagamos quase R$ 3.000,00 de aluguel por mês. Agora nós vamos sair do aluguel, vamos para um prédio público. Isso vai nos ajudar muito, porque é um dinheiro que faz falta”, afirma.


21 anos de história

A Associação teve início quando alguns pais se juntaram para patrocinar os filhos em um campeonato de judô, conforme explicou Rozana. “A Apajusvo existe desde 1997. São 21 anos de história. Hoje, nós temos em média 300 alunos. Atendemos pessoas de todas as idades, a partir dos cinco anos. E é tudo gratuito”, destaca.

Luana Vilela de Campos, de nove anos, é uma das alunas da Apajusvo. Ela mora no bairro Vila Garcia e faz aulas na Associação há dois anos. “Eu já competi em um monte de cidades. Já competi em campeonato estadual também. Já ganhei vários campeonatos, mais de dez. Eu gosto de fazer aula aqui, é legal. A gente aprende muitas coisas e aprende a ter disciplina também. Eu melhorei em casa e na escola. Melhorei o foco e a disciplina. Tenho vontade de ser professora de judô no futuro”, conta Luana.

Vinícius Henrique Gonçalves Domingues, de 11 anos, também já competiu em diversos campeonatos. Ele mora no bairro Vila Nova Votorantim e faz judô na Apajusvo há três anos. “Eu já competi em cerca de dez campeonatos e já ganhei seis medalhas, de ouro, bronze e prata. Já competi em cidades como Osasco, Barueri e Cesário Lange. Desde que eu comecei a fazer judô mudou muita coisa na minha vida. Mudei meu jeito, eu andava sem muita postura. Mudou também a minha educação em casa e na escola. Agora eu pretendo seguir carreira no judô. Meu sonho é chegar até as Olimpíadas”, destaca Vinícius.

A prática esportiva mudou a vida de Cauê, de oito anos, que mora no bairro Pró-Morar com sua avó, a aposentada Silmara Regina Paes Vieira, de 52 anos. “Meu neto é uma criança hiperativa. Aí passamos no médico e ele me orientou a trazer ele aqui. Desde que começou a fazer judô ele melhorou bastante. Eu senti que ele se acalmou bem mais. Na escola ele está indo bem melhor. E o bom é que é gratuito aqui na Apajusvo. Se fosse particular eu não teria condição de pagar de jeito nenhum”, comenta Regina.

“O judô acaba melhorando o comportamento da criança”, destaca o técnico de enfermagem Tomás Aparecido Vieira, de 50 anos, que mora no bairro Rio Acima. Ele é pai João Guilherme, de 11 anos, que faz aula na Apajusvo há três meses. Mesmo fazendo aulas a pouco tempo, o pai já notou diferença no filho. “Assistimos a algumas aulas e vimos que a criançada se empenhava mesmo. Meu filho sempre pedia para a gente levar ele para fazer judô. E apesar de ele já ser uma criança calma, ajudou bastante no desenvolvimento dele, na agilidade e em outras coisas”, destaca Tomás.


Publicada na edição 301 da Gazeta de Votorantim de 26 de janeiro de 2019 a 01 de fevereiro de 2019, página 15.



Veja mais fotos:

  1. Luana Vilela de Campos Foto: Ivana Santana

  2. Luana Vilela de Campos Foto: Ivana Santana
  3. Rozana Suane Foto: Ivana Santana

  4. Rozana Suane Foto: Ivana Santana
  5. Raul Bueno Foto: Ivana Santana

  6. Raul Bueno Foto: Ivana Santana







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.