Anterior

Edis na lida (edição n°304)

18/02/2019

Anterior

Próxima

Represa de Itupararanga tem queda no nível de água ano a ano, segundo ambientalista

18/02/2019

Próxima
18/02/2019 - 12:40
Você Repórter (edição n°304)

Doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

Gostaria de alertar acerca do novo surto doenças transmitidas pelo Aedes aegypti em Votorantim e Sorocaba neste ano.

Participei no Conselho Gestor Municipal e Políticas de Enfrentamento ao Aedes aegypti de Votorantim, inclusive fui o responsável na elaboração do Projeto Lei 2493/2016, juntamente e sob a orientação dos secretários Dr. Fabio Lugari e Gustavo Barata.

As equipes da Secretaria de Negócios Jurídicos e Secretaria da Saúde se empenharam bravamente e com capacidade e denodo para o controle da epidemia na cidade, fiscalizando e limpando as áreas particulares por meio de procedimentos administrativos e aplicação de multas, bem como judicial no deferimento de diversas liminares para limpeza forçadas nas áreas particulares. 

A preocupação é entender se Administração pública atual está dando sequência aos trabalhos da Gestão anterior, pois é injustificável que uma nova epidemia, ainda mais nociva e avassaladora domine o município de Votorantim.

Em tempo: nebulizar ruas e casas não combate o criadouro do Aedes e pode trazer problemas de saúde em crianças, idosos e animais domésticos se a exposição ao produto for longa ou corriqueira.

Sérgio Bressan Marques


Resposta: O Departamento de Vigilância em Saúde informa que o Centro de Controle de Zoonoses, Vigilância Sanitária e Vigilância Epidemiológica trabalham em conjunto sempre que necessário. Quando o munícipe não realiza a limpeza de seu terreno, ele é notificado, podendo ser multado. A Vigilância em Saúde ressalta ainda que há um trabalho contínuo e ininterrupto das equipes no combate ao mosquito transmissor, Aedes Aegypti. Seguindo o protocolo do Ministério da Saúde, quando há um caso suspeito de dengue, agentes da Zoonoses visitam todas as casas num raio de 200 metros ao redor do caso suspeito. Primeiramente é feita a remoção dos criadouros e, em caso de não poder ocorrer a remoção, é aplicado o larvicida (que mata as larvas), seguido da nebulização com inseticida (que mata o mosquito). As pessoas e animais saem das casas durante a aplicação e retornam após 30 minutos, cumprindo os protocolos em saúde.


Agradecimento

Sou do bairro Fornazari e fiz um apelo pela limpeza do escadão. Agora venho agradecer pela limpeza ficou muito bom. Aguardamos agora o conserto do corrimão.

Liliane Aparecida Cunha Souza 


Publicado na edição 304 do jornal Gazeta de Votorantim, do dia 16 ao dia 22 de fevereiro de 2019, página 12.










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.