Anterior

Nós, legisladores!

16/04/2019

Anterior

Próxima

Votoraty empata com GO Audax na segunda rodada da Paulista Cup

16/04/2019

Próxima
16/04/2019 - 11:39
O vanguardeiro eleito vereador pelo Grupo do Não
 Foto: Divulgação 

Labrego com Octaviano, Zé da Sacola, Avelino, Andriotta, Toninho Aires, Augustinho Chriguer, Messias

Em 1963, os moradores do distrito de Votorantim se dividiam como militantes ou simpatizantes de dois grupos ideológicos que se posicionavam a favor ou contra a Emancipação. O Grupo do Sim era formando pelos vanguardeiros que declarava ser favorável ao desmembramento e assinalaram o “x” ao lado do Sim na cédula do plebiscito, já o Grupo do Não via que a separação de Sorocaba atendia puramente aos interesses patronais, então trabalhavam para garantir votos assinalados como Não na votação de 1º de dezembro de 1963.
Lázaro Alberto de Almeida, o popular Labrego, era vanguardeiro, participava da banda musical Orgulhosa que animava as movimentações pró-emancipação como desfiles e comícios. O que chama a atenção é que mesmo sendo do Grupo do Sim, na primeira eleição municipal foi eleito vereador por um partido cujas lideranças eram contrárias ao desmembramento e se tornou oposição ao grupo governante.
“Aí ficou a dúvida, Labrego é vanguardeiro e ganhou na oposição?” comenta o ex-vereador que justifica dizendo que dentro do partido também havia infiltrado alguns vanguardeiros, como Afonso Erra que concorreu como candidato a prefeito, Ezequiel Camolesi candidato a vice, entre outros que se alinharam politicamente com o PRT.
Ao saber que haviam escrito seu nome para ser candidato, Labrego até tentou retirar a candidatura, mas ele precisaria de assinaturas para que isso acontecesse. Como Labrego morava sozinho, passou a bater de porta em porta em busca das assinaturas, mas não as conseguiu, pois as pessoas gostaram da ideia de ele ser candidato.
O fato é que esse momento marcou o início da carreira política daquele que se tornaria um recordista em eleições municipais. Foi eleito e concluiu onze mandatos consecutivos nas primeiras onze legislaturas.
Natural de Porangaba, veio à Votorantim quando criança. Aos 12 anos trabalhava em empresa de ônibus, aos 13 foi para a fábrica de tecidos Votorantim. Era uma família de 14 filhos e logo conviveu com um drama, a mãe faleceu aos 33 anos de vida. Teve irmãos criados na instituição Betel e em outras famílias. Labrego ainda bem jovem foi morar sozinho.
Com o resultado favorável das urnas para quem dizia que não sabia o que era política e afirmando que ninguém esperava a votação que teve, Labrego pegou gosto e foi se consagrando a cada eleição municipal.
Nesse período todo também se mostrou polivalente, além de operário têxtil e músico, também teve um serviço de Alto Faltante e por trinta anos foi dono de uma mercearia e depois de uma padaria onde contava com 470 clientes comprando fiado na base da caderneta.


       
Cesar Silva é jornalista e autor de três livros sobre a história local
Visite a Fanpage: Histórias da Minha Cidade –Votorantim


Publicado na edição nº 312 do jornal Gazeta de Votorantim, de 13 a 18 de abril de 2019, página 14.



Veja mais fotos:

  1. Mathias Gianolla, Lázaro de Góes Vieira, o Lazinho e Labrego - Divulgação

  2. Mathias Gianolla, Lázaro de Góes Vieira, o Lazinho e Labrego - Divulgação
  3. Presidente da Câmara Labrego e Edson Veronese, o Nelo, em solenidade no Parcão - Divulgação

  4. Presidente da Câmara Labrego e Edson Veronese, o Nelo, em solenidade no Parcão - Divulgação







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.