Anterior

Governo de SP anuncia bônus de R$ 425 mi para 187 mil servidores da Educação

18/04/2019

Anterior

Próxima

Com apoio do Governo de SP, Azul confirma novos voos

18/04/2019

Próxima
18/04/2019 - 14:46
Açúcar piora qualidade da pele a curto e longo prazo e atrapalha resultados de procedimento estético

O consumo excessivo de alimentos de alto índice glicêmico, como açúcares e carboidratos, favorece a glicação, o estresse oxidativo e o aumento dos radicais livres, prejudiciais não apenas para a pele, como para o organismo como um todo.
 Foto: Divulgação 

No dia-a-dia, nossa dieta é composta principalmente de carboidratos, açúcares que são os principais responsáveis por fornecer energia para o nosso corpo. O problema é que o consumo em excesso desses açúcares, que incluem desde pães até os tão amados doces, pode causar uma série de consequências em nosso organismo, principalmente na pele. “Os alimentos ricos em carboidratos possuem um alto índice glicêmico, ou seja, são rapidamente digeridos e absorvidos por nosso corpo, chegando ao sangue na forma de glicose. Mas, como a glicose afeta a viscosidade do sangue, o fígado passa a produzir insulina para transportar a glicose para dentro das células e diminuir a quantidade da substância no sangue, chamada de glicemia. Porém, enquanto a glicemia está alta, na tentativa de diminuir de forma rápida a glicose no sangue, o organismo passa a produzir enzimas não habituais para ajudar no processo, o que gera a produção de radicais livres”, explica a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery). “E, como se não bastasse, a glicose ainda reage com outras proteínas do organismo, o que gera produtos finais da glicação avançada (AGEs) num processo conhecido como glicação, que ainda é piorada pela presença dos radicais livres.” Apesar disso, nosso organismo possui um mecanismo para se defender da formação dos radicais livres, chamado de sistema antioxidante. Mas, quando os radicais livres estão presentes em quantidades muito grandes, o sistema antioxidante não é suficiente, criando assim o estresse oxidativo. Mas, afinal, como tudo isso afeta a pele? Para ajudar a entender melhor, a Dra. Beatriz respondeu as principais questões que envolvem o tema. Confira:


Fonte: Holding Comunicações










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.