Anterior

Encenações da Paixão de Cristo acontecem em Votorantim

22/04/2019

Anterior

Próxima

Inscrições para concurso público voltado à área da saúde vão até dia 29

22/04/2019

Próxima
22/04/2019 - 11:34
Votorantinense é um dos maiores colecionadores do país de filmes em Super-8

Formato surgiu antes do VHS e foi a primeira forma de cinema em casa
 Foto: Ivana Santana  

Nelsinho mostra um rolo de filme em Super 8

Ivana Santana
 
Filmes guardados na sala, nos quartos, em estantes, em caixas, em prateleiras... Essa é a visão que se tem ao adentrar a casa do professor de matemática Nelson Toledo Filho, o Nelsinho, de 58 anos. Nelsinho mora no Centro de Votorantim e apresenta o programa Falando de cinema, na TV Votorantim. Mas se engana quem pensa que os filmes de Nelsinho são em DVD, Blu-Ray ou mesmo em VHS. O professor é, na realidade, um dos maiores colecionadores de filmes em Super-8 do Brasil. Sua coleção possui mais de mil títulos, sendo muitos deles, raros.
“O Super-8 são filmes em película de cinema. O ‘8’ vem da largura da bitola do filme: são oito milímetros de largura, enquanto a película do filme de cinema era de 35 milímetros. Essa foi a primeira forma de cinema em casa”, explica Nelsinho. O Super-8 começou a ser produzido na década de 1960, antes mesmo das fitas VHS. Nelsinho conta que o auge dos filmes em Super-8 foi na década de 1970, mas sua coleção começou apenas em 1983.
“Nessa época, esse tipo de filme já estava chegando à sua fase final. Quando surgiram as fitas de vídeo em VHS, o Super-8 foi perdendo espaço. Na década de 1970 eu já conhecia os filmes em Super-8, mas eu não tinha dinheiro para fazer uma coleção. Eu só consegui juntar dinheiro para começar uma coleção em 1983”, lembra o professor.
A paixão de Nelsinho por cinema começou na infância, e a vontade de montar a coleção foi motivada pelo amor de toda a sua família pelos filmes. “Meus avós gostavam de cinema, meus pais gostavam de cinema e desde pequeno eu era levado as sessões de cinema”, conta.
Dos filmes em Super-8, Nelsinho diz não ter só um preferido: “têm vários que eu vivo revendo, como por exemplo, Os Pássaros, do Hitchcock, Guerra nas Estrelas de 1977, os épicos bíblicos, entre outros”.



Super-8 tem suas curiosidades


Para assistir um filme em Super-8, de acordo com Nelsinho Toledo, é preciso apenas ter um projetor de cinema “em miniatura”, que rode os filmes em oito milímetros, uma sala escura e uma parede que fique a uma distância de quatro a cinco metros do projetor. Ele conta que adquiriu seu primeiro projetor quando iniciou a coleção, em 1983. Hoje, o professor tem cinco projetores de Super-8. Ele afirma que atualmente é possível encontrar projetores em sites de produtos usados custando entre R$ 200,00 e R$ 400,00.
“É óbvio que a qualidade de um DVD é superior, mas a graça do Super-8 é assistir no escurinho, como se fosse no cinema, além de escutar o barulho do projetor enquanto o filme é projetado. É aquela magia, igual as salas de cinema de antigamente. Mas no geral, a qualidade do Super-8 é muito boa”, explica.
Um dos fatores do Super-8 que Nelsinho destaca é que as versões nesse formato não eram completas, mas sim versões condensadas dos filmes completos. “A película de cinema era muito cara. Então, os filmes eram lançados em versões resumidas. A maior parte dessas versões tinha 8 ou 17 minutos de duração. Um Super-8 com oito minutos de duração, por exemplo, tem 60 metros de filme. Nas versões condensadas estão as cenas mais marcantes dos filmes. O Super-8 é uma lição de edição, porque era preciso pegar um filme que tinha duas horas de duração e recontar essa história em 17 ou em 8 minutos com começo, meio e fim. Ou seja, quem não assistiu ao filme na íntegra deveria entender o filme assistindo a versão resumida. A grande vantagem é que nessa vida corrida que a gente tem, como os resumos de Super-8 São curtos, é fácil rever filmes. Em uma noite é possível rever vários filmes famosos”, relata.
Outro fato curioso sobre o Super-8 é que esse formato de filme, segundo Nelsinho, não tinha como ser pirateado. Por isso, todos os filmes de sua coleção são originais. “E o Super-8 sobrevive muito bem ao tempo. A maior parte dos filmes da minha coleção foi fabricada na década de 1970 e está em perfeito estado”, destaca.
A maioria dos filmes em Super-8 foram fabricados nos Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra, segundo Nelsinho. “O campeão de vendas em Super-8 é Guerra nas Estrelas. A maioria dos títulos clássicos do cinema produzidos até o início da década de 80 foi lançada em Super-8. Depois desse período, o Super-8 parou de ser produzido em grande escala. Mas tinha uma empresa na Inglaterra que insistiu em sobreviver. Ela só fechou as portas há uns dez anos. Até então, ela ainda lançava em Super-8 versões de cenas selecionadas de filmes famosos, inclusive filmes mais recentes, como Matrix e O Senhor dos Anéis”, afirma.


Professor ainda quer aumentar a coleção


Nelsinho diz que tem a maioria dos grandes clássicos do cinema produzidos em Super-8 em sua coleção, e afirma que atualmente é um dos maiores colecionadores desse tipo de filme do Brasil: “eu comecei tardiamente a minha coleção. Por isso, alguns dos grandes colecionadores do Brasil com os quais eu tive contato, que eram mais velhos e começaram suas coleções antes de mim, já faleceram. No estado de São Paulo eu só conheço mais três colecionadores, mas a minha coleção é maior que a deles. Aqui no Brasil não tem muito colecionador de Super-8. Na Europa tem muita gente colecionando esse tipo de filme ainda hoje”.
Porém, o professor diz que não se preocupa com números e quantidade, mas sim com os títulos que tem em sua coleção. Por isso, ainda hoje ele compra títulos de Super-8. “Ainda tem alguns títulos que eu não achei para comprar. Eu procuro colecionar todos os títulos das séries que eu tenho. Por exemplo, a série de filmes do Sherlock Holmes com o Basil Rathbone, que ele fez na década de 1940, é uma série composta por 12 filmes. Eu tinha dez, e tinha dois que estavam difíceis de encontrar. Apenas em 2017 eu consegui adquirir esses últimos dois para fechar essa série. Mas eu ainda tenho séries que não estão fechadas”, explica.
Atualmente, Nelsinho diz que compra a maior parte dos títulos do exterior, pela internet. “Graças a internet, a gente consegue contato com outros colecionadores, em todas as partes do mundo. Também existem sites especializados em leilões e vendas de filmes. Então, eu diria que hoje é até mais fácil de você encontrar filmes do que na década de 80”, afirma.
Os preços de filmes em Super-8 atualmente, de acordo com o professor, variam entre R$ 100,00 e R$ 200,00. “Não me lembro qual foi o título mais caro que comprei, mas tem uns que paguei caro. Por alguns títulos raros eu já cheguei a pagar R$ 400,00. Mas vale a pena”, conclui.


Reportagem publicada na página 05 da edição nº313, do jornal Gazeta de Votorantim, de 19 a 26 de abril de 2019.



Veja mais fotos:

  1. Projetor é parecido com os de cinema - por Ivana Santana

  2. Projetor é parecido com os de cinema - por Ivana Santana







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.