Anterior

Palestras sobre cuidados com os animais são realizadas nas escolas

22/04/2019

Anterior

Próxima

Obra parada, desperdício certo

22/04/2019

Próxima
22/04/2019 - 12:45
Sindicato dos Servidores entrega pauta de reivindicações aos vereadores
 Foto: Divulgação 

Sindicalista Goiaba entregou a pauta de reivindicações para os vereadores

Representantes do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Votorantim estiveram na 11ª Sessão da Câmara Municipal de Votorantim, realizada na terça-feira (16), ocasião em que entregaram aos vereadores a pauta com reivindicações da categoria em diversas áreas, entre elas, educação e saúde, além do pedido de 10,81% de reajuste salarial, 15% de aumento no ticket refeição e 1% a mais no repasse da Prefeitura para a Fundação de Seguridade Social como forma de repor o ticket alimentação dos aposentados.
Segundo representantes da entidade, o que eles buscam é um canal de negociação com o prefeito, e por isso, optaram por entregar em mãos, para cada parlamentar, a pauta de assuntos considerados urgentes para negociação.
O presidente da Câmara, vereador Lilo (MDB), convidou um representante do Sindicato para discursar na tribuna.  Quem falou foi José Aguinaldo Sampaio Nunes, mais conhecido como Goiaba. Em seu discurso, o sindicalista pediu apoio aos vereadores para convencer o prefeito Fernando de Oliveira Souza (DEM) a recebê-los, falou sobre a pauta de propostas e sobre a reforma administrativa. “Com a reforma, teve um aumento exorbitante para os cargos comissionados”. Segundo os cálculos apresentados por Goiaba, vários cargos tiveram cerca de R$ 1 mil de aumento. “Com isso daria para fazer concurso público e contratar 325 auxiliares de serviços infantis”, exemplificou.
O vereador Zelão (PT) falou sobre o cuidado necessário em se manifestar sobre o tema reajuste de salários, pois a população pode ficar com a imagem de que os parlamentares estão atuando em causa própria, já que o mesmo índice de reajuste aplicado aos servidores é também aplicado aos vencimentos dos vereadores. Zelão sugeriu que os reajustes não fossem no mesmo projeto de lei.
Já o vereador Heber Martins (PDT) afirmou que não é possível, hoje, seguir com os desmandos de aumentos frequentes por conta de toda a fiscalização vigente, e lembrou que há mais de 3 anos os vereadores não recebem aumento de seus vencimentos, e que apenas vem sendo corrigidos de acordo com a inflação.
O vereador Pissinato (PPS) optou por se manifestar apenas externando que os parlamentares já são muito bem pagos para legislar pelo município. Gaguinho (DEM) foi pela mesma linha.
Já o presidente da Câmara, vereador Lilo, afirmou que é preciso discutir com o jurídico sobre a legalidade da proposta, momento em que todos os parlamentares concordaram.
O Sindicato irá realizar uma assembleia no próximo dia 22, segunda-feira, às 18h, para discutir o tema com os servidores. Caso não concordem com o reajuste proposto, poderá haver greve.
O projeto do executivo, com o reajuste, foi lido na Câmara na sessão de terça-feira (16), o aumento proposto pelo prefeito Fernando de Oliveira Souza é de 4,58%.
Em nota enviada à imprensa, Silvio Cavalheiro, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Votorantim destaca que todo mês de março/ abril de cada ano está previsto em lei a data base da categoria, o que, segundo ele, “obriga o prefeito a discutir com o Sindicato as várias reivindicações da categoria”.
Explica também que o aumento de 4,58% indicado pelo Prefeito, nada mais é do que o acolhimento da reivindicação do Sindicato e diz: “esse reajuste é uma obrigação e o Prefeito se reporta à população como se tivesse partido dele, o que não reflete com a realidade, pois todos os funcionários públicos sabem que a reposição das perdas inflacionárias é reivindicada todo ano pelo Sindicato e sempre foi acolhido por todos os prefeitos anteriormente”.
A Prefeitura de Votorantim, por sua vez, afirma que “não há no momento possibilidade de aumento real tendo em vista que a folha de pagamento do funcionalismo já ultrapassou o limite prudencial permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal”, e ainda diz que “o diálogo necessário entre a representação sindical e a municipalidade tem que ser permanente e não apenas à época do encaminhamento do dissídio”.


Publicado na página 11 da edição nº313, do jornal Gazeta de Votorantim, de 19 a 26 de abril de 2019.










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.