Anterior

Agência Verbo inaugura nova sede em Sorocaba

24/04/2019

Anterior

Próxima

Curso gratuito no Campus Sorocaba da UFSCar aborda inventário molecular da biodiversidade

24/04/2019

Próxima
24/04/2019 - 10:34
Comissão de Ética e Decoro da Câmara de Votorantim se reúne e define o primeiro vereador a ser ouvido
 Foto: Divulgação 

Vereadores e assessores durante reunião na Câmara, na tarde desta terça-feira (23)

Vereadores da Comissão de Ética e Decoro da Câmara Municipal de Votorantim realizaram sua primeira reunião nesta terça-feira (23/04), com o objetivo de eleger o presidente e o relator. Estiveram presentes os vereadores Lilo (MDB), Zelão (PT), Bruno Martins (PSD), Pastor Luiz Santos (PSL), Luciano (Sem Partido) e Gaguinho (DEM).

Na abertura dos trabalhos, o presidente da Câmara, Lilo, realizou a leitura do ofício apresentado por Zelão, no dia 08/04, solicitando a abertura de um processo investigatório. Durante o encontro, houve uma votação que definiu como presidente da comissão, o vereador Zelão, e como relator, o vereador Luciano.

A comissão deverá investigar o áudio divulgado amplamente nas redes sociais, e imprensa de Votorantim e região de uma conversa entre o vereador Heber Martins (PDT) e um morador da cidade, citando valores e o andamento dos trâmites em torno da votação para eleição da Mesa Diretora 2019/2020, e um segundo material, no qual são citados nomes da vereadora Fabíola Alves (PSDB) e Mauro dos Materiais (PTB).

A data da próxima reunião ficou agendada para segunda-feira, dia 06 de maio, e conforme definição dos integrantes deverá ouvir o vereador Heber. Mauro e Fabíola já foram oficiados sobre a abertura do inquérito, e também serão convocados a prestar esclarecimentos, assim como outras testemunhas envolvidas.

Se comprovada a veracidade dos fatos que originaram o processo interno, os vereadores investigados poderão ser punidos de acordo com as especificações da comissão, que podem ser: advertência pública escrita; suspensão de 30 (trinta) dias das Comissões Permanentes, das quais fazem parte; suspensão de 15 a 60 dias, sem o recebimento de subsídios, e até mesmo abertura de processo de cassação, sendo necessária a votação de 2/3 dos vereadores em plenário.


Fonte: Assessoria de Imprensa










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.