Anterior

Oficina “Um Presente de Pai” prossegue no Shopping Cidade

19/08/2019

Anterior

Próxima

Histórias da Minha Cidade: Palhaço Pirolito e a magia do Circo Guaraciaba

19/08/2019

Próxima
19/08/2019 - 13:47
Cimento, capivara ou futebol?

Kaká Martins

 

De todas as modalidades esportivas com apoio da prefeitura, o futebol em Votorantim, sem dúvida, é o que representa boa parte do orçamento da Sedesp.

O número altíssimo de praticantes e a tradição preservam essa cultura centenária, ainda que alguns “torçam o nariz” desdenhando ou ignorando sua prática e sucesso mundial.

O ponto negativo ainda é a “exclusão” das meninas. Com baixa demanda e ausência de campeonatos, as prefeituras deveriam se unir em torno de um campeonato regional, a exemplo do que fazem a Record e TV Tem, com suas copas de futsal.

Está mais do que na hora de Votorantim sair na frente e promover além da Copa Feminina, o Regional Varzeano tão “glamourizado” de Salto de Pirapora, que há tempos não é promovido.

Geralmente, o governante que cresceu “perna de pau”, ou não teve aptidão para o esporte, acaba excluindo, ou exercendo pouco esforço para a manutenção do futebol em sua cidade ou país. Porem, é sabido que eles enxergam também os “dividendos” e futuros votos nas urnas, que acabam por vezes determinando o resultado de uma eleição.

O ex-prefeito Erinaldo não é tão apaixonado pelo futebol, mas cumpriu com os calendários tradicionais, com exceção nos anos 90, quando “tirou” a Copinha sub 15 da sua gestão.

Jair Cassola era jogador, dirigente e torcedor apaixonado pela “bola”.  Não faltaram incentivo e apoio.

Pivetta também jogava a sua “bolinha”, tendo inclusive marcado um gol no evento de 2012, quando trouxe o “Zico e amigos”, além de ter dado atenção a modalidade, desde quando era secretário de Educação. Os prêmios em dinheiro (hoje proibidos) eram a alegria da galera na época, além dos belos troféus.

O “padeirinho” pelo que consta foi “ruim de bola” e pouco praticou esporte, mas segue na medida do possível dando carta branca para seus vários secretários de Esportes que estiveram à frente da pasta.

Qualquer “escorregada” na terra do cimento com relação ao futebol, é derrota na certa.

A pressão e a tradição são muito fortes aqui. Temos Copinha sub 15, varzeanos em 3 divisões do principal, veterano, quarentão, sub 14, juvenil, master (50). Além do futebol de campo, o de quadra, como a Taça e Tacinha Votorantim.  É praticamente uma “cidade” de gente envolvida direta ou indiretamente com a modalidade.

Os campos carecem de manutenção e certo investimento, mas eles existem. Há cidades com vontade de fazer acontecer e não tem o espaço adequado.

Temos duas belas quadras novas e uma tradicional que o votorantinense ama, que é o Cermag. Temos estrutura e espaço.  Temos atletas e tradição futebolística. Faltam apenas manutenção, funcionários e mais organização.

Não fosse a terra do cimento, “das capivaras”, Votorantim seria a terra do futebol.

Como se pratica esse esporte aqui!

 

Publicado na página 13 da edição nº330, do jornal Gazeta de Votorantim, de 17 a 23 de agosto de 2019.










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.