Anterior

Um momento, uma foto, uma amizade e uma eterna saudade

07/10/2019

Anterior

Próxima

A Igrejinha que resistiu ao tempo

07/10/2019

Próxima
07/10/2019 - 15:09
A juventude e a falta de interesse pelo esporte

Nestes últimos dias, quatro turmas de jovens de escolas estaduais da nossa cidade estiveram participando de um curso de rádio com iniciativa da Rádio Votorantim, do qual eu colaboro para a formação ou iniciação de futuros novos profissionais, e para nossa alegria três deles escolheram entre quatro temas o esporte como assunto para debater dentro das unidades escolares.

Os programas de rádio estão em fase final de produção.

Mas para a nossa tristeza, o material trazido pelos alunos só confirmou o desinteresse pela prática, além das informações de falta de material, furto e depredação do patrimônio e outros.

Antigamente, a moda era praticar esporte, hoje, o jovem praticante chega a sofrer preconceito e afastamento de alguns grupos só de comentar ou tentar implantar na escola alguma atividade ou campeonatos que, em princípio, serviriam de base para uma melhor formação física, intelectual e de disciplina.

Os mesmos alunos que apresentaram a ideia de falar de esporte no programa de rádio não são praticantes. Eles imaginavam despertar esse interesse neles mesmos e nos demais. Puro engano.

Vamos perder em breve para essas tecnologias e redes sociais nossos jovens e nosso futuro esportivo.

Só uma política pública radical e planejada vai devolver aquele espírito esportivo dos anos 30 aos 80. O sistema global e suas tecnologias estão criando uma geração fria, doente, vaidosa e depressiva.

O segredo da longevidade, do bem-estar, da paz interior e da saúde em dia está na prática esportiva. Mas a ganância, o poder e ignorância política fizeram do homem um ser cruel e egoísta, a ponto de esquecer e ignorar as políticas públicas do esporte.

Essa juventude não tem culpa nenhuma de não sentir prazer em praticar esporte ou atividades. O jovem absorve o que lhe é apresentado e ele vive surpreendendo com boas “sacadas”. Não está restando opções e esperança para revertermos o quadro.

Às vezes, temos a impressão de que o mundo teria que começar do zero, para que o homem tivesse a chance de corrigir seus erros. 

 

 

 

Coluna publicada na página , da edição nº337 da Gazeta de Votorantim, de 05 a 11 de outubro de 2019










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.