Anterior

Cerca-lourenço do Esporte, edição nº 357 - Kaká Martins - Que haja solidariedade e bom senso, já que não haverá mais recursos

28/03/2020

Anterior

Próxima

Histórias da minha cidade, Ed.357 - No começo faltava quase tudo na Prefeitura

28/03/2020

Próxima
28/03/2020 - 23:52
Coluna Jogadores famosos que deixaram saudades

Prof. Jesus Rodrigues


BAUER

(O monstro do Maracanã)


José Carlos Bauer, conhecido apenas por Bauer, foi um futebolista e treinador brasileiro que atuava como volante e, por conta de suas atuações na Copa do Mundo de 1950, foi apelidado de “O Monstro do Maracanã”, sendo também considerado um dos maiores jogadores da história do São Paulo F.C.

Nasceu no dia 21 de setembro de 1925, filho de um suíço e de uma brasileira, começou no infantil do São Paulo, conquistando seu primeiro título em 1942, como juvenil. Um ano depois, como profissional, conquistou dois bicampeonatos paulistas (de 1945 e 1946 e de 1948 e 1949), além do campeonato de 1953, ano em que marcou sua despedida do clube. Jogou 429 partidas e marcou 70 gols. Quando chegou ao São Paulo formou a linha média com Zarnur e Noronha, depois com Rui e Noronha. Essas linhas médias são inesquecíveis para todos os São Paulinos que os viram jogar. Bauer foi um jogador que tinha muita habilidade com a bola e, por isso, atuava como volante. Embora forte fisicamente, praticava um futebol clássico e elegante. 

Ainda em 1954, transferiu-se para o Botafogo do Rio de Janeiro e já no final de sua carreira, jogou na Portuguesa em 1955 e pelo São Bento de Sorocaba, onde encerrou as atividades. Depois treinou o clube Desportivo Guadalajara do México e o Milionários da Colômbia.

Na Copa do Mundo de 1950 era o mais jovem jogador do grupo da seleção brasileira. Por conta das suas atuações naquele Mundial, ganhou o apelido de “O Monstro do Maracanã” e apesar da derrota e da grande decepção causada pela perda do título, Bauer foi poupado das críticas pela derrota final. Foi um dos jogadores da seleção de 1950 (juntamente com Nilton Santos), convocado para o Mundial de 1954, onde atuou como Capitão.

Pela seleção, disputou 29 jogos, foi campeão sul-americano em 1949 e Pan-Americano em 1952.

Bauer foi ainda treinador do C.A Juventus da capital, Botafogo do Rio, Francana, Ferroviária de Esportes e Prudentina. Faleceu em São Paulo, no dia 04/02/2007, aos 81 anos.

Em homenagem aos amigos são paulinos, publicamos uma das melhores formações do Tricolor do Morumbi das décadas de 50/60.

Poy, De Sordi e Mauro, Pé-de-valsaBauer e Alfredinho Maurinho Amauri, Gino, Zizinho e Canhoteiro.

 

Um timaço que deixou saudades...



Coluna publicada na página 14 da edição 357 da Gazeta de Votorantim de 28 de março a 03 de abril de 2020.










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.