Anterior

Sebrae oferece capacitação para empreendedores do ramo de Pet Shop

10/07/2020

Anterior

Próxima

Sesc Sorocaba promove festival ‘[REC]OMEÇO: entre redes, acordes e afetos’

10/07/2020

Próxima
10/07/2020 - 15:33
Educador pet dá dicas para preparar cães e gatos à volta da rotina

Os animais de estimação se acostumam com a presença dos donos em casa e a ausência repentina pode gerar alguns problemas emocionais e de comportamento
 Foto: Divulgação 

.

.

Depois de passar meses com seus donos em casa, cães e gatos acabaram se acostumando com a constante presença dos humanos. Só que, agora, com a flexibilização da quarentena, precisam ser preparados para o distanciamento do tutor, de forma a não prejudicar o emocional dos bichinhos. 

“Durante a quarentena grande parte dos tutores dedicaram mais tempo aos pets, brincando, passeando e, claro, se divertindo mais. Com a possibilidade de volta ao trabalho, existe uma chance grande dos animais, principalmente os cães que são mais dependentes, desenvolverem a síndrome de separação, um momento de estresse agudo que surge quando o animal tem que ficar sozinho”, alerta Ricardo Ueda, educador pet da AmahVet, voluntário Abrigo Chácara da Dolores e fundador da Educa Pet. 

Para ajudar os donos de animais a passarem por essa nova fase, Ueda dá algumas dicasA primeira delas é começar a isolar o cão em alguns momentos durante o dia. “Inicie com 30 minutos duas a três vezes ao dia, durante dois dias seguidos. No terceiro dia, deixe-o sozinho por uma hora e, no quarto, por duas horas. Aproveite aqueles momentos que você realmente precisa sair de casa”, orienta. O segundo passo é diminuir a interatividade e brincadeira diárias. “Aumente os isolamentos gradativamente até o dia que a rotina voltar ao normal, assim seu animalzinho vai se acostumando novamente com o afastamento sem sofrer um choque”, recomenda.

E atenção: se mesmo tomando todos os cuidados e fazendo esta preparação o seu pet desenvolver depressão ou algum estágio mais avançado da síndrome de separação, o ideal é procurar um profissional educador canino para ele analisar o perfil da família e do cão e, se necessário, iniciar um tratamento terapêutico natural. “Tais tratamentos podem ser feitos com florais, aromaterapia ou até música, dependendo de cada caso”, finaliza o especialista.




Fonte: Assessoria de Imprensa










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.