Anterior

Comasse irá trocar alimentos e fraldas por máscaras

04/08/2020

Anterior

Próxima

Obras na entrada da cidade prosseguem em Votorantim

04/08/2020

Próxima
04/08/2020 - 16:17
Número de exames admissionais se mantem em alta durante a pandemia
 Foto: Imagem Ilustrativa 

.

.

O número de exames admissionais realizados do início da pandemia, de 1° de março até o dia 29 de julho, corresponde a 33,92%, sendo o exame ocupacional o de maior demanda em Sorocaba, de acordo com a Trabt, empresa especializada em medicina e segurança do trabalho.

Segundo o médico do trabalho e diretor da empresa, Renan Paiva Moreno, o setor que mais realizou exames admissionais foi o da construção civil, seguida de prestação de serviços e alimentação. “Mesmo com a pandemia, tivemos um número maior de exames admissionais comparado aos outros tipos de ASOS (Atestado de Saúde Ocupacional), sendo 27% o número correspondente aos exames demissionais e 22% aos exames periódicos”, detalha.

Ainda de acordo com Renan, houve uma queda de 40% no número de exames ocupacionais realizados, se comparado ao período do ano passado. “Mas é preciso levar em conta vários fatores que influenciaram este número absoluto, por exemplo, com a MP 927 em vigor, tornou-se desobrigatório a realização dos exames ocupacionais. Agora, com a sua caducidade, este cenário pode mudar”, explica.

 

Construção civil é o setor com maior admissão

Monise Cristina Ribas Nóbrega é engenheira civil e planejava abrir uma empresa no setor de construção civil, mas com a chegada da pandemia ela se sentiu um pouco coagida. No entanto, com o passar dos dias, ela notou que a procura por serviços na área estava em alta. “Em meio a pandemia, a busca por reformas e construções no geral aumentou muito. Resolvi iniciar o que já estava sendo planejado: assumi minha primeira obra pela minha empresa e, então, tive a necessidade de contratar uma equipe para me dar suporte”, explica a engenheira.

Ela contratou dois profissionais para auxiliá-la nas obras, investimento calculado em torno de 4 mil reais por mês. A previsão é que até o final do ano as contratações estejam asseguradas, visto que o término das obras ocorre em dezembro.

Em contraste com a realidade da empresa da Monise, a qual vislumbrou boas oportunidades em meio a pandemia, existem outras que se encontram há mais tempo no mercado, como é o caso da Ambiental Logística, a qual sofreu um impacto negativo. “Estávamos para iniciar algumas obras que iriam gerar vários empregos, porém as empresas optaram por cancelá-las diante do que o mundo está passando. A pandemia refletiu em toda cadeia produtiva”, comenta José Ângelo Domingos, proprietário da empresa que oferece prestação de serviços ambientais, construção civil, elétrica e hidráulica.

De acordo com José Ângelo, o maior desafio tem sido se reorganizar para este novo cenário, a fim de não encerrar os serviços, assim como voltar a gerar empregos. “Tem sido um desafio, visto que não estamos tendo suporte do Governo Federal no enfrentamento dessa situação.  Mas, ainda assim, vamos iniciar uma obra grande que vai gerar, aproximadamente, 20 vagas de emprego diretas. As contratações serão mantidas de acordo com término da obra, com previsão de seis meses”, finaliza.



Fonte: Assessoria de Imprensa

 
 









Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.